Pesquisar neste blogue

quinta-feira, julho 31, 2014

as judiarias da banca que controla a politica nacional há três gerações

imagine-se... é bem capaz de ter sido algo próximo disto... 
(mas esta é apenas a nossa ínfima parte num esquema global muito além da nossa compreensão local: o volume do sistema paralelo que é retirado dos balanços oficias dos bancos é de muitos triliões... bem acima do PIB mundial)

...........

quarta-feira, julho 30, 2014

Submarinos, um inquérito deveras maçador

"Os contratos de contrapartidas na compra dos submarinos e equipamentos militares foram haaa... contratos-promessa, poderão ser ou não adjudicados" (são...haaa....haaaa.....tretas). Este sr. embaixador Pedro Catarino, que agora presta declarações em Comissão de Inquérito Parlamentar, foi, imagine-se, Presidente da extinta "Comissão de Acompanhamento das Contrapartidas". (ver video)

Pedro Catarino, que presidiu à dita Comissão entre 2007 e 2010, revela agora no Parlamento que “houve um problema de quebra de confiança” com o escritório de advogados "Sérvulo Correia" que assessorava o Estado. (na qualidade de homem de confiança do PSD)... a determinada altura o presidente da Comissão procurava “documentação extraviada”, nomeadamente, todas as “actas das reuniões” anteriores a 2003. Isto é, desde que o ex-ministro Paulo Portas tomou conta da pasta da Defesa. "Na altura, “após pesquisa”, nada foi encontrado. Pedro Catarino repete a resposta que então recebeu: “Julgo que nunca foram encontradas(fonte)

"O modelo das contrapartidas foi desenvolvido para convencer a opinião pública de que a compra de material militar era neutra", justificou-se o ex-ministro Álvaro Santos Pereira, classificando-as de "imaginárias"» Ou seja, o anúncio de contrapartidas milionárias não passou de uma treta para enganar a opinião pública. (fonte)

Convém aqui recordar o que em Janeiro de 2013 "o advogado do consórcio dos submarinos  Mann-Ferrostal reforçou a acusação de existirem redes de interesses no Ministério da Economia" (fonte)

"Aquilo que o Estado assinou em 2000, quando eu ainda não era ministro da Defesa, foi já consideravelmente diferente daquilo que pretendia exigir (...) Portanto, "o que é que eu tenho a ver com isso?" respondeu Paulo Portas com inexcedivel candura na mesma Comissão quando inquirido sobre se mantinha alguma relação, e de que teor, com o antigo cônsul honorário de Portugal em Munique, que foi condenado na justiça alemã por corrupção na venda de equipamento militar a Portugal e à Grécia. Portas justificou-se dizendo ter tido "apenas um fugaz encontro no aeroporto de Munique com o Cônsul fugindo dele por ser uma pessoa maçadora"... a ser verdade, trata-se do momento mais limpinho e fugaz que maiores dividendos deu na história das finanças do CDS.
"as Forças Armadas teriam obtido condições mais favoráveis na aquisição se não tivesse havido contrapartidas"

terça-feira, julho 29, 2014

enganem-nos, que há malta que parece gostar

"A dívida pública é o nó górdio de toda a politica portuguesa actual! Não há um único português que não saiba, principalmente nestes últimos três anos de Tróica, que toda a nossa vida económica, política, social, cultural e familiar tem estado totalmente dependente da dívida pública. A atitude face à dívida soberana define o presente e o futuro de Portugal. Algumas pessoas, em especial da classe média, estariam com certeza à espera que, nesta luta de galos pelo poleiro do PS, os dois galifões restringissem toda a discussão ao único tema importante da situação política e económica portuguesa: a atitude face à dívida (Luta Popular)

António Costa elaborou um Programa para Governar Portugal para Próxima Década... mas esse "programa" não contém uma linha que seja nem sobre o Défice nem sobre a Dívida pública
Seguro viu furo e opinou: "Temos de ter uma solução para a dívida, de modo a que a nossa economia possa crescer e que se aliviem os sacrificios sobre os portugueses". Como o iria fazer (se paga, se prolonga o prazo reestruturando, ou se recusa o pagamento de uma dívida que é odiosa), é quem não diz nem que chovam picaretas falantes... mas conclui chutando para canto: "É impensável que António Costa não tenha uma resposta concreta para um dos problemas que o nosso país tem, que é o da dívida pública". Quem o ouvir falar parece que ele tem...

segunda-feira, julho 28, 2014

“Portugal deixou a PIDE colaborar com o apartheid” – declarou recentemente em entrevista o ex-inspector da policia politica fascista Óscar Cardoso.

As declarações de um pide que há-de morrer pide, valem o que valem, mas impõe-se desmascarar algumas velhas “novidades”. O conflito armado entre angolanos pela libertação do país foi um reflexo da conjuntura da guerra fria por um lado, e por outro lado do confronto ideológico entre os reformistas da URSS e os revolucionários de tendência Maoista.
Contudo, não é verdade que a Unita tenha sido só apoiada pela República Popular da China. Após a adopção da Doutrina Reagan os Estados Unidos deram prioridade à Unita na cedência de meios financeiros; e não apoiavam o MPLA porque esse movimento de libertação era "comunista" . Depois da batalha do Cuito Cuanavale (um momento alto do internacionalismo proletário) que derrotou a possibilidade de se manter o apartheid, os EUA mudam radicalmente de posição; abandonam a Unita e começam a apoiar o MPLA. Quanto ao colaboracionismo com os racistas sul-africanos, em cada região militar havia uma delegação da PIDE que interrogava os “indígenas” detidos pela tropa colonial (“os turras capturados em combate” na gíria politico militar da época), mas essa era uma actividade secundária - a principal era a presença de meios militares sul-africanos no terreno, aviões, helicópteros e quadros militares sem insignias a actuar em paralelo com as tropas portuguesas. E mais importante ainda, a África do Sul contribuia com empréstimos financeiros a fundo perdido para que Portugal pudesse servir de tampão à guerrilha da Swapo na Namibia. Quanto ao "pacto" da Unita com Portugal nunca se soube ao certo se existiu... mas só entre 1969 e 1971 os guerrilheiros de Savimbi minaram por 52 vezes colunas militares no Cuando Cubango com destruição de camiões de abastecimento... ora se isto era "colaborar" era uma colaboração violenta... mas, se há alguma coisa de consistente a acreditar no diz o pide, é que a colaboração é um mito da propaganda disseminada pelo Movimento Popular de Libertação de Angola.

Tanto que o ex-pide, uma vez pide, pide para sempre, vive à sombra do actual regime de Luanda e dá a aqui citada entrevista ao Jornal de Angola, precisamente o órgão oficial do partido no poder. Omitido três factos fulcrais: 1. que a “libertação” de Agostinho Neto e a subsequente “fuga” de Lisboa nos anos 60 acontece por intercedência dos Estados Unidos que pretendiam garantir alguém à frente da luta pela libertação que lhes garantisse a impunidade das suas companhias petrolíferas então já a explorar as riquezas do território 2. o massacre de dezenas de milhar de pessoas falsamente acusadas de dissidência no golpe-de-Estado de 27 de Maio de 1977, o genocídio fundador do regime, tolerado e nunca investigado pela “comunidade internacional” (tal como prontamente se exigiu na Jugoslávia, Ruanda, etc) e 3. Que o corrupto MPLA substituiu os parcos indicios de socialismo da era da guerra civil pela corrupção generalizada que mantém a maioria da população na mais negra das misérias e ignorância, apesar de ser um país riquíssimo em recursos naturais.

domingo, julho 27, 2014

para o embaixador de Israel em Washington as forças armadas agressoras e invasoras de Gaza são "soldados pacificos" a quem devia ser atribuido o prémio nóbel da paz" (sic)

O embaixador Ron Dermer acaba de proferir semelhante bojarda durante um encontro na Associação "Cristãos Unidos por Israel" nos Estados Unidos (escrita pelo próprio aqui). Bojarda pronta e servilmente repetida num dos pasquins da falida Controlinveste: "Os soldados israelitas deviam receber o Nobel da Paz pela "moderação inimaginável" de que são prova na luta contra o Hamas, afirmou o embaixador de Israel (na foto abaixo à esquerda), reclamando o direito do seu país a defender-se". (aqui). Em boa verdade, a verdadeira razão do genocidio em Gaza é travar a politica de reconciliação do Hamas com a Autoridade Palestiniana
À esquerda, a cara do embaixador na filial norte-americana; ao centro: camisetas vendidas por soldados israelitas apelando a matar dois palestinianos com um só tiro e que não basta matar os filhos, é necessário matar também as mães para que a raça não se reproduza; à direita: Hitler cogita com os seus botões na tumba: se não me tivesse suicidado hoje seria certamente prémio nóbel da paz
                                                                              ---
O Exército israelita bombardeou e destruíu o Hospital El-Wafa, o único especializado em reabilitação de Gaza, vindo posteriormente o próprio Israel a admitir que não havia armas no interior das instalações. (Alternet). Apesar da oposição dos Estados Unidos, Inglaterra e França, a ONU mostra-se disposta a abrir um inquérito que condene os responsáveis pelos eventuais crimes de guerra cometidos por Israel em Gaza. (fonte). Israel usa bombas de fragmentação destinadas a atingir o maior número de pessoas com dardos de metal, que são armas proibidas pela Convenção de Genebra. (The Independent).
Israel, para aldrabar a opinião pública sobre os crimes que comete, falsificou imagens de satélite do hospital que foi bombardeado, fazendo crer que se tratava de um centro de operações do Hamas num campo usado por milicias paramilitares. Há imagens prévias à destruição que provam que a localização que a localização e enquadramento é completamente diferente, o edificio situa-se numa zona residencial. O sionista de Lisboa faz acompanhar o artigo no Público por uma fotografia supostamente do terraço do hospital pejado de pessoas, onde assinala 3 crianças. (das que vivem em estado de choque e terror?). Provavelmente este “documento” é mais uma falsificação. Mas ainda que não o fosse, sabendo de antemão estar o edifício repleto de gente que prefere o risco de se imolar para evitar a destruição de um bem de sobrevivência essencial, que moral criminosa é a que apesar disso usa Israel para bombardear na mesma o local?
O genocídio que está a ser perpretado contra Gaza é apoiado em simultâneo por outro exército que opera nos jornais e televisões a nível global. Ao jeito de uma espécie de direito de resposta, a um “conselheiro político” da embaixada de Israel em Lisboa o jornal Público ofereceu-lhe uma página para denegrir e refutar o que havia escrito o colunista habitual desse mesmo jornal Manuel Loff. A inconveniência de Manuel Loff foi transcrever uma fonte verídica na origem: “Temos de os matar – não só os militantes do Hamas, mas toda a população de Gaza!" É o que diz a um correspondente do Guardian um soldado israelita de 22 anos no funeral de um camarada seu, um dos 18 soldados israelitas mortos na enésima invasão de Gaza, um miúdo de 20 anos que fazia o serviço militar obrigatório” - Chamam-lhe “debate”, mas tal como no terreno em Gaza, não é uma guerra, é um assassinato, neste caso político. O artigo do israelita tem leitura em acesso aberto online; o artigo de Manuel Loff só pode ser lido por quem tenha pago assinatura. (transcrito por mão amiga para aqui). Sabemos que os supermercados têm liberdade para pôr à venda tudo o que lhes dê na real gana, canibalizando todos os ramos de actividade. Como negócio-âncora o pasquim da Sonae vende Sionismo.

sábado, julho 26, 2014

Portugal, a santa Casa dos Espíritos

Se convidar um fulano de corpo presente universal a visitar o panóplio carcerário da mera forma “Estado” nacional já é uma acção particularmente atrevida, imagine-se a ousadia teológica e judicialmente impossível de tentar prender um “Espirito”

Por duas parangonas de jornal em dois dias consecutivos subentende-se a situação. Ricardo Salgado, recentíssimo ex-administrador do BES, anda a ser ameaçado de morte por não ter conseguido dar suporte material ao dinheiro-papel virtual dos accionistas e os superintentendes das Policias do Regime, as que adquiriram a capacidade premonitória de comunicar com espíritos, sugerem-lhe que aceite protecção oficial sob pretexto de um incidente tributário-judicial que já leva bem uma meia-dúzia de anos de “prescrição inconseguida” (o Processo Monte Branco). A contraditória marosca em desabono desta tese policial é porém desbroncada pelo facto de em Janeiro de 2013, a Procuradoria-Geral da República ter emitido um despacho em que deixou claro que Ricardo Salgado não era suspeito no caso Monte Branco. E que não existiam indícios de crimes fiscais.

Traduzindo a coisa para língua de gente comum, o cabeça de cartaz da famiglia gestora financeira privada do país, de seu nome Ricardo Salgado, é conhecido na gíria do meio como o “DDT”. Mas de facto os “Donos Disto Tudo” são os judeus do lobie financeiro especulativo internacional. Não todos os judeus, obviamente, não os pobres que foram abandonados à sua sorte nos campos de trabalho alemães dos anos 30, mas os judeus ricos associados à filosofia wasp, assente naquilo que na análise marxista se classifica como Imperialismo, seja por intermédio da primitiva exportação de Capitais, seja pela recente politica global de posse administrativa e expropriação de populações endividadas pelos seus governos.

Assim, como choco no pântano do capitalismo neoliberal, Salgado em 2009 queixava-se da "obsessão patológica" com os offshores, refúgio para o Capital livre de impostos. Um não-incómodo que lhe permite ainda cinco anos depois ter recebido através do BES Angola milhões depositados em offshores. As contribuições não declaradas arruinam os Estados nacionais. Ficou famosa a reunião de banqueiros nacionais, com o Banco Espirito Santo à cabeça que pressionou/obrigou o governo Sócrates a pedir ajuda externa à Troika. Um grupo de notáveis do partido dito socialista afirmam preto no rosa que "fomos nós, com Sócrates, que preparámos terreno para os cortes".

São decisões tomadas em conselhos de administração onde abundam destacadas figuras dos 3 partidos do arco da desgovernação. Só para citar 2 exemplos: o ex-ministro de Sócrates Manuel Pinho é um homem do BES, o doutor Durão Barroso era, antes de ser promovido, um homem próximo do BES, quem lhe pagou os estudos em Georgetown, uma universidade especializada na formação de agentes reprodutores do capitalismo dos grandes grupos monopolistas norte-americanos, designando os seus "notable alumni" nacionais para postos chave nos EUA, sendo os estrangeiros designados para exercer cargos importantes nos governos dos paises de origem. O nóvel-Rey de Espanha é mais um que foi ali "preparado". São uma espécie de Bilderberg de trazer por casa, personalidades cuja actividade consiste em centrar a atenção da populaça na arraia miúda, desprezando as ligações ao Grupo BES de altas figuras do Estado e arredores (do blogue Câmara Corporativa):

Durão Barroso foi, no período entre o fim do último governo de Cavaco Silva e a sua eleição para presidente do PSD, «consultor» do BES.
Passos Coelho, quando decidiu trabalhar, foi colocado na Fomentinvest, sociedade de que um dos accionistas é precisamente o Grupo Espírito Santo.
Cavaco Silva foi convidado a candidatar-se à presidência da República num jantar em casa de Ricardo Salgado, no qual estiveram presentes Durão Barroso, Marcelo Rebelo de Sousa e a sua companheira Rita Amaral Cabral também ela com assento no conselho de administração do BES.
• Por fim, junto com o professor Marcelo. outro notável manipulador de opinião nos media, Miguel Sousa Tavares, cujo primeiro casamento foi com Mariana Espírito Santo Bustorff Silva é também compadre de Ricardo Salgado pelo casamento da filha Rita Bustorff de Sousa Tavares com Ricardo Espírito Santo Bastos Salgado, mais um filho da secular famiglia de banqueiros.

sexta-feira, julho 25, 2014

Quantos operários ou trabalhadores no sector real de produção representa o danieloliveirismo?

Das tricas turvas que agitam as diversas facções de oportunistas conluiados à mesa do Bloco dito de Esquerda acaba de sair o suco da barbatana de um fenómeno efémero; tanto caminho de "militância" andada do Oliveira&Compª para a mera ilusão de se coligarem com o Partido dito Socialista. Sempre a acrescentar nada, existirá pois uma nova desqualificação na politica portuguesa com a entrada em cena dos "dissidentes xuxas de esquerda". Estes dissidentes de pouca ou nenhuma coisa querem representar (querem mas nem isso representam) uma ínfinitesimal facção da pequena burguesia urbana, sempre a cair para o lado mais lucrativo da correlação de forças, mas com a mania que é de esquerda. Vai-se a ver melhor e deparamo-nos apenas com mais um grupelho ligado aos meios de comunicação do Capital. Como oportunistas liberais de fachada socialista viciados em polémicocrasia parlamentar burguesa, contas feitas à aspiração de votos (no conceito em concreto de aspirador) quanto valerá em dinheiro mais esta mini-alcateia de personalidades? Lá por nadarem nas águas turvas do status conservador de Bloco Central, podem angariar uns trocos (ou um chapéu cheio de desprezo) mas nada de ilusões, só a Revolução Socialista terá força moral e material para acabar com as grandes fortunas!
para os nossos heróis de banda desenhado de cariz individualista, o Capital não passa de um porquinho-mealheiro oferecido pelos papás para incentivar a boa gestão dos meninos

quinta-feira, julho 24, 2014

as americanices como ideossincrasia: "o show diário" de Jon Stewart

provocam as desgraças e fazem comédia com elas, porque as desgraças são planeadas para dar lucro. E a televisão, ainda por cima "de laracha crítica", é um portentoso meio de controlo de massas;  para que a populaça não seja acrítica, mas que não enverede por acções radicais para travar o genocidio. Deixem a coisa com o judeu Jon Stewart que ele trata do assunto: "Precisamos falar acerca de Israel":

De cada vez que o entertainer pronuncia a palavra "Israel", a sua equipa de correspondentes salta-lhe em cima. Um deles grita-lhe na cara "és um judeu que odeia judeus!". pegando na deixa, Stewart pensa para dentro (será possivel a existência de Israel sem a doutrina religiosa, racista e expansionista sionista?) e responde: "obviamente, há muitas opiniões fortes sobre esta questão (...) mas quem apenas se limita a mencionar Israel ou a questionar de alguma forma a eficácia ou a humanidade das políticas de Israel não pode ser acusado do mesmo modo como se fosse pró-Hamas", isto é, pró independência do Estado da Palestina.
22 de Julho de 2014
....

quarta-feira, julho 23, 2014

as sacanices de Barroso e os seus amigos nazis em Kiev

"Se não houver consequências e nada acontecer aos responsáveis pelo uso de um missil terra-ar para abater um avião civil com passageiros onde é que este mundo vai parar?", sentenciou cinicamente o nosso bem conhecido Durão Barroso. Esta triste figura finge que não sabe, mas um Presidente da Comissão Europeia honesto deveria saber que existem evidências de que o vôo MH-17 da Malaysian Airlines foi abatido por um míssil ar-ar disparado de um avião militar que se colou ao avião comercial sobre o espaço aéreo da República de Donestsk. As milicias populares que defendem o território do dominio do governo nazi da Ucrânia tem força aérea? ou é o Estado usurpado em Kiev que detêm os caças da força aérea?
"Um caça da Força Aérea ucraniana foi detectado a uma distância do Boeing malaio de entre 3 a 5 quilómetros", declarou numa conferência de imprensa o tenente-general Andrey Kartopolov, chefe dos Serviços de Operações Principais do quartel-general do Exército russo, citado pela agência Efe. A Rússia também afirma que um satélite de monitoramento norte-americano sobrevoava a região separatista onde o avião caiu no dia da queda. Moscovo pediu para os EUA divulgarem as imagens obtidas pelo suposto satélite" (BBC). Mas tais episódios nunca aparecem nos Media ocidentais de referência.  O que aparece frequentemente são as parvoices dos lideres da União Europeia destinadas a intrujar a opinião pública.

Tentando culpar a Rússia na re-edição da Guerra Fria em curso, Barroso congemina nova acusação afirmando que “a Rússia, desrespeitando todas as normas internacionais, anexou a Crimeia, o que é uma violação absoluta da lei internacional. A Rússia rinha reconhecido a independência da Ucrânia no fim da União Soviética (1991)”, isto quando de facto o estatuto da Crimeia tinha sido alterado desde Khrushchev em 1954 segundo determinados pressupostos. Ora os pressupostos acordados em 1991 (a segurança russa a partir da base militar-naval) com a recente ascenção do governo de extrema-direita na Ucrânia foram alterados...(Ionline)
 

Se quanto à credibilidade de Barroso estamos conversados, sendo conhecido desde o principio do arranjinho para o cargo na Europa como "mister Figurhead" e em Portugal como desertor vendido aos interesses da Alemanha, agora até o seu próprio partido o considera tão rasca, tão rasca, que nem para candidato ao lugar do Cavaco serve.

Devido às dificeis circunstâncias no território, a delegação de peritos internacionais e o seu séquito de repórteres só chegaram ao local dos destroços do avião MH-17 quatro dias depois do acidente. Na sequência da visita, em poucas horas uma fotografia obtida no local faz furor nas redes sociais mostrando um dissidente ucraniano de Donestsk que exibe um ursinho de peluche usado por uma das crianças vitimadas, como se exibisse um troféu por ter conseguido abater o avião.
 (à esquerda) frame do video mostra miliciano em sinal de respeito. À direita, a foto manipulada veiculada pelos media ocidentais (fonte: Russia Today)

Nem por azar, chegam por outros canais ao Ocidente a reportagem da cena filmada em video. A foto é obtida num momento relâmpago em que o miliciano segura no ursinho erguendo o braço exclama emocionado: "Queremos que esses filhos-da-puta vejam aquilo que abateram, estão a ver?" (e mostra o ursinho). Agora vejamos o que escrevem e difundem regra geral os "repórteres" do lado de cá ao serviço dos nazis de Kiev: “Os rebeldes estão a saquear os brinquedos das crianças, os mapas dos turistas, os cadernos dos empresários...(fonte: Rússia Today)
última hora
Um perito norte-americano que teve acesso às fotografias recolhidas por satélite dos EUA, acaba de afirmar que o Governo de Kiev está implicado no atentado que abateu o vôo MH-17 quando este voava sobre território da República Popular de Donetsk. (Ria-Novosti)

terça-feira, julho 22, 2014

Bruxelas confirma que a crise do BES será paga pelos contribuintes

"Antes das eleições foi dito aos contribuintes e aos cidadãos e cidadãs europeias, que eles não pagariam mais nenhuma crise, de nenhum banco. E a verdade é que a forma como se está a avançar no processo do Banco Espirito Santonão só é lenta como está a criar problemas", inquiriu ao presidente da assembleia a eurodeputada Marisa Matias. Em resposta à eurodeputada Marisa Matias, a Comissão Europeia afirmou que nem o instrumento do Mecanismo Único de Resolução, nem os da Directiva de Resolução Bancária poderão ser utilizados no caso do BES, caso se agrave a crise no banco. (Esquerda.net)

O ex-conselheiro-de-Estado Vitor Bento doravante novo presidente do banco privado BES, adiou a apresentação de resultados do banco alegando precisar de mais uma semana em virtude dos prezuizos serem maiores do que se pensava. A somar aos 89,2 milhões de prejuízos só no primeiro trimestre deste ano, a totalidade dos prejuizos somam já 179 milhões até ao final do segundo semestre; (sem o impacto do Grupo internacional)   e ainda, segundo a nova administração desde que tomou posse, mais mil milhões de euros. O apuro continua...

Gota a gota vão-se conhecendo os pormenores de mais uma golpada. A famiglia Espírito Santo transfere os prejuizos das suas actividades internacionais para o banco nacional BES, sendo estes imputados ao Estado português. O BES conseguentemente desvaloriza-se drasticamente com as acções a baixarem para preços irrisórios. Aí aparecem os amigos internacinais do Ricardo Salgado e compram parcelas do banco ao preços da uva mijona. Este é o b-a-bá do modus operandi dos especuladores. Neste caso, o banco Goldman Sachs e o Fundo Desco do bilionário David E. Shaw, ambas entidades norte-americanos, já vieram comprar uma fatia do BES. (Dinheiro Vivo)

segunda-feira, julho 21, 2014

Palestina: o investimento fracassado na vitória sionista

A noticia é de hoje. Ao cimo um caixão enfeitado com a bandeira Sionista; e o titulo: "massacre em Gaza no dia em que Israel perdeu 13 soldados". Em subtitulo diz-se sorrateiramente que há 100 mortos palestinianos. Este é um modo filho-da-puta de encobrir a verdade, de apresentar o conflito como se fossem duas forças equivalentes em confronto, quando na verdade se trata de um exército criminosamente profissionalizado contra civis, quando muito algumas milicias civis. Na verdade os Cruzados do mitológico rei David apenas em 24 horas já chachinaram 400 palestinianos,, (a esta hora talvez mais algumas centenas. E as sugestões que chegam do Parlamento israelita é para que no ataque a Gaza sejam mortas todas as mães para que não venham a gerar mais inimigos

por norma os vencedores tendem a assimilar aquilo que pensam ser o melhor dos vencidos
Pablo Picasso; "Massacre em ____________" (preencha o leitor o local do acontecimento). Em 1951 o centro da arte mundial tinha-se deslocado para New York. Picasso permanece na Europa, atento aos ataques aos valores da civilização clássica europeia que se tinham imposto ao mundo por séculos. O lobie dos judeus ricos norte-americanos tinha vencido a grande guerra (1914-1945) e a sua hegemonia no reforçado poder dos Estados Unidos dá inicio à politica imperialista de expansão, instituindo colonatos por um sem fim de regiões do planeta, especial destaque para o "Estado de Israel" nos territórios milenarmente ocupados por muçulmanos no Médio Oriente. Para derimir os inevitáveis conflitos decorrentes das usurpações, os mesmos Estados Unidos montam uma instituição, de acordo com as normas dos vencedores e no seu território, para simular a resolução de conflitos de "modo independente" - a "Organização das Nações Unidas" nasceu em 1945 em New York. A "história do plano de partilha da Palestina" engendrada na ONU em 1948 é tão velha, conhecida, cínica e criminosa quanto a ideia da conquista integral do território.

20 de Julho 2014. Judeus Ortodoxos e soldados Sionistas dançam comemorando o massacre em Gaza. Sincronizado, o secretário de Estado norte-americano diz aos imbecilizados telespectores do seu país que "é o Hamas quem está cercar as pobrezinhas vítimas de Israel".

O problema decisivo para a existência de Israel é a expulsão em massa do povo palestiniano e a institucionalização do direito-de-não-regresso das populações espoliadas e expulsas das suas terras. Ao mesmo estilo do "sonho americano" assente no exterminio de populações nativas dentro e fora das suas fronteiras, a questão é central na realização do "sonho sionista", assim como a noção de que a vida de judeus (e brancos puritanos anglo-saxónicos) é infinitamente mais valiosa do que as vidas de árabes, pretos, ciganos e comunistas.

Miko Peled é um judeu israelita, nascido e criado em Jerusalém, cujo pai era um jovem oficial do exército em 1948 e um importante general das Israel Defence Forces (IDF) em 1967. Ou seja, Miko Peled nasceu e cresceu numa família e num ambiente de profundas raízes sionistas. Não obstante isso, as contradições da vida e o seu sentimento humanista foram abrindo-lhe os olhos para a realidade que o circundava. É esta realidade o que ele trata de transmitir no seu livro "O Filho do General" (The general's son) e no relato deste vídeo:


domingo, julho 20, 2014

Desemprego e Colapso da Economia Nacional

"Os países da periferia apresentam sistema politicos de governos fracos, concedem protecção aos trabalhadores e o direito a protestar contra mudanças indesejadas no status quo. Estes defeitos ficaram evidentes com a crise" (J.P. Morgan)

o Governo pretendeu esconder, varridos para debaixo do tapete, 162 mil desempregados em cursos de formação atribuindo-lhes uma situação de “ocupados” para esconder oficialmente o número de desempregados (jornal de noticias) Para além de não se contabilizar os mais de 372.500 trabalhadores exilados à força. Contas feitas ao número de pessoas sem trabalho que permanecem no país, estas ultrapassam um milhão de desempregados reais.

No primeiro ano deste governo PSD/CDS/Troika a riqueza não gerada pela totalidade dos desempregados tinha sido de 50 mil milhões de euros. Nos dois anos seguintes a situação agravou-se (1). No final da década de 90 a taxa de desemprego era de 4%. Quatro décadas após sucessivos governos PS/PSD/CDS, a taxa de desemprego em finais de 2013 situava-se nuns sub-estimados 16,4%. Apesar de treze anos da flexibilização aplicada coercivamente à legislação laboral, conferindo impunidade ao patronato para despedimentos sem causa, o desemprego não tem parado de aumentar. As previsões da OCDE para 2014, passe a truculência e mentiras do governo, apontam para uma taxa de 18,5%. Entretanto os salários baixaram em média cerca de 40%, o que gera precaridade e menos consumo, menos contribuições para a Segurança Social e a cobrança de menos impostos, acrescentando mais crise à crise, para cuja resolução o Governo impõem leoninamente mais impostos à população em geral (2).

Para os trabalhadores remanescentes, os que precariamente mantém um emprego que os deixa no limiar da pobreza, os cortes salariais tornaram-se na principal causa do sobre-endividamento das famílias, ultrapassando o desemprego. Por sua vez, o sobre-endividamento contraído para a sobrevivência das pessoas conduz ao crédito malparado, o qual afecta os bancos agravando a segurança do dinheiro dos depósitos dos portugueses, ainda por cima, usados em jogadas especulativas. Num exemplo actual, o dinheiro descontado pelos trabalhadores para a sempre posta em causa Segurança Social (3), ao qual o Estado deita indevidamente a mão, foi investido em acções da Portugal Telecom resultando numa desvalorização de 23 milhões de euros devido à exposição ao escândalo BesGate (4). Roubam o povo que depende de salários e reformas miseráveis e de seguida mandam as suas agências de comunicação publicar artigos a dizer que a Segurança Social está em perigo de bancarrota devido ao aumento da esperança de vida (dos ricos) e por isso “esta geração não pode receber mais do que descontou”. Analisando esta problemática sob um ponto de vista meramente de reforma do capitalismo, um dos mais reputados economistas da área social-democrata do país afirma fundamentadamente que "o sistema bancário português corre um risco sistémico". Se é para manter o capitalismo, que se cumpra a sua regra primordial: quem não tem aptidões nem geraa lucro para viver tem de falir ou morrer.
notas
(1) Em 2012 cada português em média já tinha perdido 503 €uros de rendimento face ao PIB registado no ano anterior. Nos dois anos seguintes a situação agravou-se. Hoje em dia sai um português para o estrangeiro a cada cinco minutos.
(2) Ficou famosa a boutade do vice-pres. da Caixa Geral de Depósitos nomeado por Passos Coelho: “se me obrigarem a trabalhar mais de sete meses só para o Estado, palavra de honra que me piro” (Nogueira Leite). Certo é que o tipo para sua desonra dois anos depois ainda cá está; e nem imagina o lucro que daria ao país que trabalha se ele deixasse de “trabalhar”. O número de pançudos beneficiários aposentados da CGD com pensões acima dos 4.000 €uros que em 1997 era de 553, já alcançava o radioso número de 5.235 individuos em 2011.
(3) Se dos serviços públicos, para cujo funcionamento se pagam impostos, dizem que “dão prejuízo” é porque foram sujeitos a desorçamentações (cortes). Os défices do Estado não podem ser imputados aos gastos sociais. Porque a verdadeira causa da “crise” é o gigantesco aumento dos juros sobre a dívida, constituída como uma autêntica fonte de rendimento fixo do Capital estrangeiro. Quando ganham em comissões os vendilhões da pátria com este negócio? O povo um dia irá averiguar…

(4) Adenda. Desde que se iniciou a confecção deste post as perdas da Portugal Telecom já passaram dos 23 para 27 milhões de €uros
(5) Gestão controlada a partir do exterior pela holding de topo do Grupo Espirito Santo impede pagamento de dívida à Portugal Telecom (Diário de Noticias)

BES: dê qualquer coisinha para a ajuda do contribuinte

1. Falta ainda saber quase tudo sobre a saga do Grupo Espírito Santo e do seu império financeiro. Estão a chamar-lhe "falta de comunicação...".
2. Uma viagem ao extraordinário mundo dos negócios do Grupo Espírito Santo. Só a área não financeira tem mais de 150 empresas. Com a banca e os seguros, o grupo emprega cerca de 25 mil pessoas. Obviamente, o que está a entrar em falência não é a área financeira, que está fora da jurisdição do Estado português.  (Ionline)
3. BES, a Maior Falência de Sempre! "o que interessa agora é resistir ao medo, assumir e gerir os prejuízos"? é preciso um certo "jornalismo económico" ter lata... não é (Pedro Santos Guerreiro?)
4. "Procuradoria-Geral da República já lançou investigação para apurar se existe "relevância penal" na crise que tem afectado o GES". Que bom que a PGR finalmente vá obrigar Wall Street e a City de Londres a repatriar os capitais oriundos de fraudes que lesam os povos limitados às fronteiras nacionais. Que faça jurisprudência e se investigue igualmente o Banco de Portugal (Expresso)

sábado, julho 19, 2014

as pessoas conseguiam raciocinar logicamente apesar de todo o aparato tecnológico daqueles tempos?

a resposta à pergunta é não! 
as pessoas acreditavam em tretas com a invasão da Terra por marcianos, em alquimias capazes de produzir ouro em liquido de que se alimentassem e enriquecessem, em crenças religiosas induzidas por mágicos capazes de falar com entes sobrenaturais, enfim, nesses dias não muito distantes:

(cartazes publicitários de estilo vintage para produtos atuais, uma criação da agência brasileira Moma)

sexta-feira, julho 18, 2014

Gaza, aquilo que a imprensa não diz: "Tem tudo a ver com as reservas de Gaz Natural"

No dia 7 Julho de 2014 o Estado ilegal de Israel iniciou um ataque maciço sobre a Faixa de Gaza, território que havia de ser do Estado da Palestina. Na primeira semana Israel despejou mais de 400 toneladas de bombas, matando mais de 130 palestinianos. A maioria eram civis, cerca de metade mulheres e crianças. Neste momento o número de mortos ultrapassa os 200. Justificação oficial de Israel para este massacre: o assassinato de três adolescentes israelitas pelo qual Israel responsabiliza o governo do partido eleito Hamas. Mas essa não é a verdadeira razão. Primeiro que tudo Israel não produziu uma única prova que implique o Hamas ou mesmo um qualquer palestiniano nos assassinatos; de facto a evidência que temos indica que os assassinos eram israelitas. Se nos lembrarmos da noticia no "The Jerusalem Post" na terça-feira 1 de Julho, esse jornal divulgou o áudio da chamada angustiada de uma das adolescente sequestradas para a polícia, onde se podem ouvir os sequestradores dizendo aos meninos para colocar as cabeças para baixo em hebraico. Pode-se ouvir a gravação neste video. De acordo com o "Jerusalem Post" antes de ser revelado ao público este áudio era mantido confidencial e sob apertado silêncio por parte do governo israelita. Que espécie de psicopatas se apostam num crime de dimensão hedionda para sequestrarem o acesso a reservas de gáz que são propriedade do povo da Palestina?

Genocidio em Gaza

O palestiniano em estado de choque é Yasser Al-haj, Israel matou-lhe a mãe, o pai, três irmãos e três irmãs. O genocidio nazi-Sionista que é perpertrado em Gaza, ocultado pelas televisões, está a indignar todo o mundo civilizado. Mas haverá sobreviventes, e é para evitar que esses tenham futuro que a escumalha religiosa de extrema-direita no poder no Estado racista de Israel ordenou a invasão militar terrestre do último reduto da Palestina que é "governada" fora do seu controlo. Não tardará muito para que a banca europeia, cumprindo as deteminações de Wall-Street, disponibilize mais ajudas financeiras a Israel para a instalação de novos colonatos, desta vez em Gaza

quinta-feira, julho 17, 2014

Quer mamar? tem de passar no teste da Xuxa

É impressionante a romaria de personalidades do nacional-xuxialismo em direcção à liderança de António Costa na opa para reciclagem do Partido dito Socialista. Magotes de aderentes primários suam as estopinhas para se fazerem notados perante o que será o novo lider da associação. Há de tudo, vira-casacas, sobreviventes das lutas intestinas, dissidentes do bloco central, dissidentes do bloco de esquerda, os que não dissidiram mas já eram simpatizantes, enfim, oportunistas de todos os matizes. A lista é longa e lapidar na sofreguidão pelo acesso ao novo pote que se vislumbra ali já à frente: Nicolau Breyner, o Daniel-vai-a-Todas, Luis Represas, o Zé-Faz-Falta, chusmas de lúmpem-intelectuais falhos de subsidio de rendimento mínimo e outras qualidades, que a crise não descascou só no factor trabalho. Suspeita-se que até o próprio Cavaco será simpatizante, pese não ser certo que passe no teste de despiste de suspeição de ser alheio ao social-democraticismo de fachada neoconservadora. Porra! A boiar no pântano anda o José Seguro, conta-se que empenhadíssimo na função de confrade no enchimento de chouriços na Confraria do Porco Bísaro de Vinhais...
clique no boletim para ampliar
Entretanto, enquanto os "primários" se entretêm americaizados a esconder a sua verdadeira função, que é nada mais nada menos que limpar o curriculo criminal do actual governo, a chusma de comentadores de direita vai ajudando à festa exigindo saber de onde vem o dinheiro para tão grande farra mediática xuxa: "de onde te vem a guita ò Costa?!". "Tanta coisa que está a mudar no país, menos a transparência das contas eleitorais. António Costa já gastou rios de dinheiro antes sequer de oficializar a candidatura: os cenários impecáveis, o muitissimo profissional site "Mobilizar Portugal", os alugueres de espaços, o designa xpto, os equipamentos de som, os veiculos que andam em campanha, o pessoal associado a tudo isto, incluindo os dois acessores que exercem funções na Câmara Municipal de Lisboa. O contribuintes gostariam de saber inclusivamente quem paga as despesas e salários nestas andanças do edil de Lisboa, futuro Presidente do PS e provavelmente futuro primeiro ministro. Por fim, o rabo de fora no último grande elogio ao deus Costa, é procedente do Expresso pela pena de Clara Ferreira Alves, que é uma bilderberger, sendo o Seguro outro, e o António Costa que foi igualmente instruído na mesma organização, onde se estabelecem as grandes linhas das politicas que visam escravizar os países dependentes. Quem sabe desta poda é o decano bilderberger Pinto Balsemão, e por isso nenhum destes actores deve enganar a opinião pública. São todos mais do mesmo, com figurinos e cenários pintados de novo com a mesma tinta velha. O povo tem de escolher directamente quem os represente a todos os níveis e não limitar-se a escolher entre duas ou três farinhas estragadas dentro do mesmo saco que vem pendurado a partir da cúpula do sistema capitalista

quarta-feira, julho 16, 2014

nem Esquerda nem Direita

Joana Amaral Dias, simpatizante do Partido dito Socialista e o ex-ministro PSD da liquidação da Cultura analisam a crise no BES


e o que nenhum destes dois diz, obviamente
 1º-ministro e o presidente do Banco de Portugal andam a mentir. "Caixa Geral de Depósitos e outros Bancos é que vão pagar a crise Espírito Santo. A nova administração do BES, PSD/Angela Merkel aponta risco sistémico da banca portuguesa e fortunas perdem de 33 mil milhões numa semana", na análise de João Palma-Ferreira
A primeira medida da nova administração do BES foi decidir uma auditoria às contas do Banco privado do Regime. O que é que impede os responsáveis de não determinarem igualmente uma auditoria às contas do Regime, (ao Estado) e questionarem o pagamento de uma dívida fraudulenta que está a levar o país à falência?


terça-feira, julho 15, 2014

os Espiritos, Dívidas Ocultas, Crise e Social Democracia

o Grupo Espirito Santo esteve sempre ligado a negócios que deveriam ter caído sob a alçada da Justiça (Paulo Morais)
 
Pela pena da doutorada em facebooklogia Anabela Melão trata-se agora, tal como os boys da Social Democracia, de ressuscitar a alma e o espírito demagógico do morto que os lidera... o que disse Sá Carneiro há 36 anos «Portugal Necessita de um Projecto Mobilizador", ou seja, dizia mais ou menos o mesmo que está neste momento a dizer o António Costa do socialismo dentro da gaveta, citando: (...) estamos fartos da Demagogia e do Sectarismo. E os Portugueses? Fartos dos malabarismos que os partidos do poder fizeram para a ele se manterem agarrados, correspondem a esta crise política com uma atitude de profunda indiferença, que é altamente preocupante em democracia. (...) Face a esta crise nacional, face a um país angustiado, desagregado e à deriva, em que se fracionaram os sentidos de solidariedade e de interesse nacional para serem substituídos por uma política do salve-se quem puder, o Povo Português esperava que este debate lhe trouxesse finalmente uma esperança nova de ver os partidos discutirem aqui os verdadeiros problemas nacionais, de ver os partidos reconsiderarem aqui as suas posições, reconhecerem os seus erros, disporem-se a encetar vida nova.» Francisco Sá Carneiro, in 'Assembleia da República (1978)"

Ampliar
Dois anos mais tarde vinha a público o escândalo da divida de Sá Carneiro precisamente ao Banco Espirito Santo no valor de 33.000 contos e que nunca foi paga. Esta história de ocultar dividas nas contabilidades dos bancos é tão velha quanto a promiscuidade entre politicos e banqueiros. Como na altura houve processos judiciais por "difamação" há obra publicada sobre isso.
Relendo da época, o Jornal O Diário, 1980:
"Antes do 25 de Abril, o cidadão Francisco Lumbralles de Sá Carneiro, figura política já conhecida por ter sido um dos deputados "liberais" escolhidos por Marcello Caetano para animar a Assembleia Nacional fascista, contraiu com seu irmão Ricardo uma dívida de alguns milhares de contos junto do Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa. Objectivo "social" do dinheiro assim obtido: entrar no círculo desenfreado da especulação bolsista que então se vivia. Entretanto, veio o 25 de Abril e a Bolsa foi fechada. A dívida ficou. Os irmãos Sá Carneiro esperaram, de acordo e conivência com os seus amigos do BESCL, que a intentona reaccionária do 28 de Setembro triunfasse. Perderam essa cartada, mas não pagaram a dívida. Veio o 11 de Março e o BESCL foi nacionalizado. Estava comprometido a fundo com o financiamento de várias organizações contra-revolucionárias. A partir de então, Francisco Lumbralles de Sá Carneiro, que fizera parte do l Governo Provisório, foi mais longe: procurou por vários meios fraudulentos fugir ao pagamento de uma dívida à banca entretanto nacionalizada e que, contando os juros, começou a subir. Actualmente, cifra-se, pelas contas de «o diário», em 33600 contos. Este livro condensa, documentalmente, a evolução de um escândalo político que já ultrapassou as fronteiras do nosso País e do nosso continente. Sá Carneiro é Primeiro-Ministro, os seus actos não podem ser dissociados do lugar que ocupa. Ao denunciar nas suas colunas aquilo a que justamente chamou o Watergate português, «o diário» cumpriu e continua a cumprir um acto de higiene política voltado para a defesa da inteligência e dignidade do Povo português, das instituições democráticas, do Portugal de Abril"

segunda-feira, julho 14, 2014

PPP da Saúde com aumento de 166%

Segundo um estudo do economista Eugenio Rosa nos 4 anos entre 2010 e 2014 enquanto a despesa pública com a saúde sofreu um corte superior a 5,5 milhões e os hospitais públicos viram o seu financiamento reduzido em 666 milhões, as parcerias com privados tiveram um aumento de 166%. Ou seja as transferências do orçamento do Estado para grupos económicos como o Espirito Santo Saúde, Jose Mello e o grupo brasileiro AMIL, que gerem as Parcerias Público Privadas na Saúde passaram de 160 milhões em 2010 para 427 milhões em 2014! (Saiba quanto vão custar ao erário público as PPP só em 4 hospitais até ao ano 2042).
No corrente ano estão a acontecer cortes quase três vezes maiores do que os do ano 2013!. Perante estes números é fácil compreender que tudo falte no Serviço Nacional de Saúde e nos hospitais públicos (médicos, enfermeiros, medicamentos, consumiveis, etc), e do que se queixam os médicos e outros profissionais de saúde! Eugénio Rosa acusa o governo de estar a destruir o SNS de forma silenciosa e recorda que só depois da greve dos médicos na passada semana o ministro reforçou em 300 milhões a verba para os hospitais publicos! (cm)
O ministro da Saúde Paulo Macedo continua no entanto a recusar o diálogo com a Ordem dos Médicos. O SNS, que até aqui servia todos os portugueses com qualidade, está a sofrer com as medidas de austeridade e a degradar-se muito mais do que outros sectores da governação, "por mera opção política, pois este Governo impôs mais cortes à Saúde e aos Doentes do que aquilo a que foi forçado pela Troika". Inclusivamente, a propósito da greve, o ministro fez uso do seu tom habitualmente indigno ao aproveitar o momento para fazer uma descarada propaganda às empresas privadas da área da saúde: "esta greve foi altamente lesiva para os utentes dos serviços do SNS, se olharmos para os hospitais privados verifica-se que aí nenhum utente deixou de ser atendido". Acontece é que o Estado passou agora a pagar em subsidios aos privados o que recusa pagar nos serviços públicos

domingo, julho 13, 2014

Parabéns Gaius Julius Caesar!!

Felix natalis dies, magne dux, Caesar, ataque aeternam gloriam semper habeas!!!... se fosses vivo, eterno César, comemorarias hoje 2.058 anos. E não serias romano, mas judeu e bom sionista. Na transição da República para o Império continuarias a pintar a face com o sangue dos reis inimigos dos teus interesses em operações militares com o auxilio de nuvens divinas, a exibi-los em desfiles na televisão e a pendurá-los mediaticamente pelo pescoço perante grandiosas audiências. Salvé César, o teu glorioso espirito continua bem presente. Os mortos que te fazem a glória te saúdam...

........
o Triunfo de Julio César, da série "Roma" da cadeia de televisão HBO

sábado, julho 12, 2014

a golpada Bragaparques

o Ministério Público pede uma indemnização de 4,2 milhões de euros (ou uma improvavel prisão efectiva) aos responsáveis que assinaram o contrato de permuta da concessão do parque de estacionamento do Parque Mayer por terrenos urbanizados da antiga Feira Popular em Entrecampos à empresa privada Bragaparques. Os executivos autárquico da equipa liderada por Carmona Rodrigues (PSD) assinaram um contrato que lesou a Câmara Municipal de Lisboa num valor próximo dos 3,5 milhões de euros. Os herdeiros da gestão da Câmara de Santana Lopes trocaram metade dos terrenos da Feira Popular limpos e sem quaisquer encargos pelo direito ao usufruto de um parque de estacionamento e venderam à Bragaparques a outra metade em hasta pública concedendo-lhe um direito de preferência inexistente. Inquirido sobre as suspeitas de corrupção Carmona Rodrigues assumiu que a recuperação do Parque Mayer tinha sido uma das bandeiras eleitorais do Partido eleito para gerir o Municipio.

Por estas e por outras é que o país tem empobrecido e divida acumulada tem crescido. Santana Lopes como se sabe foi promovido a chefão da Santa Casa da Misericórdia para gerir os pobres viciados em jogo. Resta aos presumiveis 5 por cento de gente séria que ocupam cargos públicos apelar ao Tribunal Constitucional o pagamento de uma dívída que é odiosa anulando os compromissos assumidos de forma fraudulenta. Caso contrário ninguém nos empresta mais dinheiro para sustentarmos mais promoções sobre negociatas corruptas.

sexta-feira, julho 11, 2014

o Jardim economicamente à beira da Crise plantado

“... as condições desesperantes da sociedade em que vivo enchem-me de esperança” (Karl Marx). Quando uma determinada reforma pretendida fraccassa, abre-se o caminho para a revolução.

"... a crise já não é temporária: é a própria condição do capitalismo, o seu motor interno. A crise está continuamente em curso, uma vez que, assim como outros mecanismos de excepção, permite que as autoridades imponham medidas que nunca seriam capazes de fazer funcionar em períodos normais. A crise capitalista corresponde perfeitamente – por mais engraçado que possa parecer – ao que os trotskistas da União Soviética costumavam chamar de “a revolução permanente (Giorgio Agamben)

Suponha o leitor que é um jardineiro, e tem como objectivo irrigar um relvado e canteiros distribuindo uniformemente a água (caso seja um economista dinheiro) por todas as áreas e plantas. Obviamente, não consegue satisfazer o cliente, se não proteger o sistema de irrigação (economia em tempo real e finanças). Pode derramar toda a água, porque diz do alto da sua autoridade “porque sim, porque eu assim quero”, mas deste modo a água nunca vai chegar para tudo o que faz falta, em todos os lugares. Vendo ao longe os actuais gestores do sistema trabalhando a economia de um país como Portugal, podemos compará-lo como um jardim num terreno inclinadíssimo com um sistema de rega cheio de zonas secas, onde não chega o abastecimento de água, onde a "assimetria", promove um maior fluxo de água onde o terreno é mais inclinado, e menos noutros lugares onde estão plantas que são para deixar morrer à sede. Então, se o profissional não tem vontade (política) para corrigir esses desequilíbrios/assimetrias, favorecendo um fluxo constante (dinheiro/água) para todos os sectores da economia/ jardim, algumas plantas vão crescer e florescer (servindo-se de uma quantidade muito maior de água), enquanto outras vão definhando e morrendo. Resultado final: o rendimento global do nosso Jardim será sempre menor do que aquele que o cliente o povo, a comunidade) pode idealizar e aspirar. A resolução para o problema não é nada de novo: alinhar os salários com a produtividade, o que será igual a um sistema de rega equitativo a fim que as plantas possam obter a quantidade de água certa.

Gaza (II)


quinta-feira, julho 10, 2014

A Doutrina do Choque - A Ascensão do Capitalismo do Desastre

"A Doutrina do Choque" é a história absorvente de como as políticas de "mercado livre" imperialistas dos Estados Unidos e as elites que lhe estão associadas têm vindo a dominar o mundo - através da exploração de povos e países em choque devido a inúmeros desastres, de natureza financeira, naturais ou de conflitos provocados. Na conjuntura mais caótica da guerra civil do Iraque, é apresentada uma nova lei que permitiu à Shell e à BP reclamar para si as vastas reservas petrolíferas do país... Imediatamente a seguir ao 11 de Setembro, a administração Bush concessiona, sem alarido, a gestão da "Guerra contra o Terror" à Halliburton e à Blackwater... Depois de um tsunami varrer as costas do sudeste asiático, as praias intocadas são leiloadas ao desbarato a resorts turísticos, tal e qual está a acontecer agora na Grécia... Os residentes de Nova Orleães, espalhados pelo furacão Katrina, descobrem que as suas habitações sociais, os seus hospitais e as suas escolas jamais serão reabertas, a não ser por meio do investimento privado... Estes acontecimentos são exemplos da "doutrina de choque": o aproveitamento da desorientação pública no seguimento de enormes choques colectivos - guerras, ataques terroristas ou desastres naturais - para ganhar controlo pelo medo (1), impondo uma terapia de choque económica.
documentário completo, legendado em português
............ (1)

Mais uma encenação fraudulenta. O "Lider do Exército do Califado Muçulmano" (que vem substituir as ameaças da al-Qaeda) e supostamente apareceu a rezar no Iraque usava um sofisticado relógio tipo James Bond no valor de 6.500 dólares.
Descodificando: será Al Bagdadi um agente da Mossad incumbido de uma missão?

quarta-feira, julho 09, 2014

Grande adesão à Greve dos Médicos (II)

na Politica como no Futebol, caríssimos Portugueses, não é a expectativa de um qualquer D.Sebastião que nos pode salvar, mas o Trabalho de Equipa. E a Equipa, caros concidadãos, somos Nós, não é o treinador e assessores (adaptado do facebook)

Na sequência das denúncias do acordo TIFT da Europa com as Corporações norte-americanas que visam entregar vastos sectores dos serviços públicos e prestações sociais como novas áreas de negócio a esses grandes monopólios dirigidos pela alta finança internacional -
cabe aqui recordar que é esta politica ao mando de interesses estrangeiros
  que vem sendo posta em marcha...

No final da manifestação dos Médicos de ontem (a greve repete-se hoje), expresso pelos diversos intervenientes em representação de mais de 90% das respectivas organizações dos profissionais da saúde foi referido que "esta é mais uma etapa da luta: a luta vai ser dura e não acabou hoje. Para além das denúncias das patifarias e provocações do ministro para tentar desmobilizar a greve, reafirmou-se a determinação dos médicos de prosseguir a luta pela defesa do serviço nacional de saúde. Repetidas vezes foi ainda gritado pelos manifestantes: A luta continua, ministro para a rua!. E a seguir ao ministro vai o governo todo!. O MRPP esteve representado por uma delegação sua, embora isso não fosse noticia, a par com a barragem informativa feita pelos Media a esta greve.

...........

Khan Younis, Gaza

Israel bombardeou populações civis em cerca de 100 ataques aéreos.
Há 16 vítimas mortais até ao momento
23,10 (actualização) - 150 objectivos atingidos, 23 mortos

............

terça-feira, julho 08, 2014

a Greve dos Médicos e Enfermeiros 8 e 9 de Julho

Os cortes governamentais na Saúde e a comunicação social que os pretende disfarçar produziram esta semana mais um "batedor de punho" que saltou para as páginas de destaque nos jornais com uma mensagem principal: "é possivel prescindirmos do elitismo de demasiados médicos, porque podemos valorizar a prestação dos enfermeiros atribuindo-lhes mais responsabilidades - "pode não ser fácil confiar logo e apenas no enfermeiro mas..." etc. O jovenzinho, que com o dinheiro das férias de que prescindiu, conseguiu pagar um estágio na Organização Mundial de Saúde em Genebra, gabarola-se de ter iniciado uma (pelos vistos e na sua opinião) promissora carreira... a tirar fotocópias e a fazer slides. Um fenómeno portanto, personalidade punheteira de quem o ex-Ministro Relvas não desdenharia ser tutor. Mais disse a sumidade-que-virá-a-ser que a avaliação "que faço deste governo é que fez coisas boas. Poupou-se dinheiro em muitos lados onde se esbanjava". Mas ainda há umas coisinhas "essenciais a fazer na prevenção"... (tais como? assinar contratos com companhias de seguro privadas?) "e nos cuidados de saúde primários"... (quer dizer, seriam precisos os tais enfermeiros que precisamente este governo tem obrigado a emigrar aos milhares), mas que se calhar se podem importar outros mais baratuchos "salvados" das zonas de guerra e de fome que não faltam por esse mundo fora. Brilhante, este rapaz.  
Os médicos, enfermeiros e restantes trabalhadores do sector da saúde, unidos ao povo a que pertencem, denunciam o contexto em que se inserem as manobras em curso, entre outras desmascarar o engodo da chamada factura virtual. O que o ministro Paulo Macedo, em representação da política de traição deste governo, está a escamotear é que o que se pretende é alocar os financiamentos que deviam ser destinados a assegurar um Serviço Nacional de Saúde ao pagamento de uma dívida ilegal, ilegítima e odiosa. É para garantir o seu futuro e o futuro de um SNS tendencialmente gratuito e de qualidade como explicita a Constituição que todos estamos dispostos a lutar.
E é por isso que a luta dos trabalhadores da saúde deve merecer o apoio sem reservas de todo o povo.
sim, sim, senhor ministro! isto é uma greve politica, contra as suas politicas