Pesquisar neste blogue

domingo, agosto 23, 2015

a Grécia e o Socialismo do século XXI

Ex-ministro Varoufakis: “Para quê enviar tropas, se podem enviar a troika a cada mês?”
 
A composição social na Grécia (como em Portugal), consequência da deslocalização e terceirização do tecido produtivo numa população activa de cerca de 5 milhões de pessoas, é aproximadamente a seguinte:
* Operários empregues em trabalho produtivo, 14%
* Trabalhadores indiferenciados, 19,3%
* Profissionais técnicos e quadros, 17,5%
* Assalariados agrícolas, 2,2%
* Executantes empregues no terciário, 42,5%
* Dirigentes, Administradores e profissões liberais, 4,5%
A coligação de pequenos partidos agregados no Syriza foi eleita e apoiada pela pequena e média burguesia confrontada pelo neoliberalismo com a ameaça de proletarização face aos direitos adquiridos (o desemprego real de 27% (22% em Portugal) atravessa transversalmente todos os grupos de trabalhadores) ; o programa de governo propunha-se afrontar a grande burguesia transnacional congregada em torno da União Europeia, o que foi feito. Imediatamente boicotada, a coligação Syriza foi humilhada e derrotada. A luta passa a outro patamar, cujo objectivo deve ser a tomada de consciência que a pequena-burguesia dos serviços e a aristocracia operária devem unir-se à classe operária para formar um governo de amplo consenso democrático e patriótico

Stathis Kouvelakis: 25 deputados do SYRIZA deixaram o grupo parlamentar da coligação de esquerda no governo para criar um novo grupo, sob a denominação de "Unidade Popular". A maior parte desses deputados são filiados na ala mais à esquerda do Syriza, mas outros também se uniram, como Vangelis Diamantopoulos ou Rachel Makri, colaboradora próxima da presidente do Parlamento Zoe Kostantopoulou. É um importante importante acontecimento na política grega, mas também no plano internacional, tendo em vista o Plano B de grexit da moeda única europeia.

1. "Unidade Popular" é a denominação da nova frente política que reagrupará 13 organizações da esquerda radical que assinaram o documento de 13 de agosto que propõe que se constitua a Frente do Não. Essa Frente é, pois, o primeiro resultado concreto de uma recomposição no seio da esquerda radical grega. É recomposição que recolhe lições dos últimos cinco anos, e, claro, da experiência do Syriza no poder e da catástrofe que daí resultou. Mas o objetivo da Frente é mais amplo: trata-se de dar expressão a forças sociais que não necessariamente se reconhecem como parte da Esquerda, mas que querem combater o arrocho, os Memorandos e o "poder da Troika reloaded" do novo Memorando.

2. O objectivo da Frente Popular é constituir a expressão política do "Não", como se manifestou nas eleições de Janeiro e depois do referendo de 5 de Julho (Mais de 60% dos votos). As principais linhas programáticas são: ruptura com a Austeridade e os Memorandos; rejeição de todas as privatizações e nacionalização, sob controle social, dos sectores estratégicos da economia, a começar pelo sistema bancário; e, em termos mais amplos, um conjunto de medidas radicais, que farão pender o equilíbrio de forças a favor do trabalho e das classes populares e que abrirá caminho para a reconstrução progressista do país, de sua economia e de suas instituições. Esses objetivos não se podem realizar sem sair da Eurozona, como a catástrofe recente já o demonstrou abundantemente, e sem romper com o conjunto das políticas institucionalizadas pela União Europeia. A Frente Popular também lutará por um combate internacionalista unitário em torno de objetivos comuns à escala europeia e internacional, e apoiará a saída do país da NATO; a ruptura dos acordos existentes entre Grécia e Israel; e a oposição radical às guerras e intervenções imperialistas. Esse programa transicional situa-se na perspectiva do socialismo do século XXI.

3. O novo grupo parlamentar é agora o terceiro em número de votos, no Parlamento Grego, maior que os neonazis do "Aurora Dourada". Significa que nos próximos dias o dirigente da Frente do Não, Panagiotis Lafazanis, terá mandato para constituir governo que durará três dias, como o determina a Constituição grega. Depois da queda do governo Tsipras, esse mandato está agora entregue ao segundo partido do Parlamento, "Nova Democracia", o principal partido de oposição de direita. Esse tempo será usado pela Unidade Popular para lançar um vasto debate e mobilizar todas as forças sociais que queiram combater o Arrocho e os Memorandos, os anteriores e o recente.

O programa do partido e o conjunto de seus apoiantes entre as personalidades da esquerda grega (que é uma lista realmente impressionante), serão divulgados esta semana

5 comentários:

Anónimo disse...

http://www.noticiasaominuto.com/politica/436135/pctpmrpp-contra-portugal-como-coutada-da-europa-alema

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

https://www.youtube.com/watch?t=65&v=5Ft_9quXUfU