Pesquisar neste blogue

sábado, dezembro 15, 2012

Barroso: isso da falência do país não foi nada comigo

a Segurança Social é insustentável, dizem eles (1), porque há cada vez menos gente a trabalhar e mais gente que vive mais tempo. Portanto só há um caminho: reduzir drasticamente as prestações sociais. Digam lá: se o sistema de segurança social foi superavitário até 2002, porque é que deixou de o ser a partir daí, ainda por cima, depois de ser feita uma reforma da Segurança Social (pelo governo de Durão Barroso) que o tornou mais sustentável para o futuro? O que fizeram aos fundos da Segurança Social, onde os delapidaram? (primeiro que tudo arriscando-os como produto de capitalização em Bolsa pelo governo de Durão Barroso. Claro, perderam milhões!)

E por que carga de água é que os governos assacaram à Segurança Social encargos que deviam ser da política social do Estado, tais como rendimento social mínimo, etc.? A Segurança Social tinha e tem um objectivo que diz respeito exclusivamente aos trabalhadores que para ela descontaram, e foi e é alimentada com esses descontos e das entidades patronais. Que culpa tem a Segurança Social das sucessivas inclusões de diferentes fundos de pensões (seguros, bancários, etc.), cujas despesas futuras são altamente prejudiciais para o sistema em que se integraram por mera conveniência contabilística dos governos, escondendo os falhanços das suas políticas relativamente ao «défice» das contas públicas?

Eis outra falácia: cortar, em vez de reestruturar. Isto significa que as pessoas tendem a ficar menos protegidas e durante mais tempo. Paciência...

De facto esta linha não prejudica aqueles que tomam as medidas: bem pagos e encostados às grandes empresas e fortunas, sempre terão o seu futuro garantido. Os outros, a imensa maioria, regressarão ao estádio anterior a 1974, talvez mesmo anterior ao marcelismo. Isso representa um impensável retrocesso civilizacional, em que será desejável que os velhos não durem muito, porque não há onde metê-los, e as famílias não podem suportá-los; que os desempregados emigrem (se tiverem condição para isso e se houver países que os acolham), ou que vão para a rua... roubar; que os doentes se curem com mezinhas, como antigamente; que as crianças fiquem com as mães, também elas desempregadas; etc. Que mal faz, desde que não atinja os possidentes?

(1) alguém que diga a José Manuel Fernandes, o comentador com orelhas de burro: as prestações sociais não são pagas com impostos cobrados aos cidadãos mas sim com o dinheiro dos descontos dos trabalhadores e das empresas 
 .

6 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Comentario eliminado
Este comentario foi removido por um administrador do blogue

Bate n´avó disse...

orelhas de burro: as prestações sociais não são pagas com impostos cobrados aos cidadãos mas sim com o dinheiro dos descontos dos trabalhadores e das empresas... Link está indisponivel!
Pode consertar?


Eh eh eh, estou a ver o circo em directo de Fátima. Um tal cagalhão coelho, fala em vários canais de noticias... é um fartote de rir. Não percebo como ele acredita no que está dizer... o gajo bem se estica, nada convicente, apreee...