Pesquisar neste blogue

sexta-feira, dezembro 28, 2012

«Portugal à venda» é o grande «acontecimento» do Ano

««O Estado perde um importante instrumento de promoção do crescimento e do desenvolvimento do país, e de apoio à competividade das empresas portuguesas, sejam públicas ou privadas (...) Um Estado que sai da economia é um Estado fraco que estará sempre totalmente dependente e submisso aos grupos económicos», o que é extremamente grave. E alienar as empresas que «geram maior riqueza agrava o problema do défice e da dívida». Daí que, no fundo, seja «uma parte importante do país e do seu futuro que está a ser vendida e o seu controlo entregue a grupos económicos estrangeiros para quem os interesses nacionais não contam nada. Dramaticamente este é um Governo para quem o interesse e a dignidade nacionais parecem não existir» (Eugénio Rosa


Tradicionalmente os portugueses têm sido sempre enxotados para a emigração, expulsos de um acanhado território nacional ocupado por elites ociosas, labregas e falsamente vestidas por um luxo vendido de fora a bom preço. As «grandes conquistas» da chamada 1ª Globalização pelos gurus neoliberais, não foram nada mais que isso, um decalque atamancado de vias de exploração do original: em Luanda (do dialecto banto lu-ndandu) quando os portugueses chegaram, não é verdade que não existisse nada. Nunca devemos esquecer que a História tem sido escrita pelos vencedores. Mas há outras versões. Na Lu-ndandu do Reino do Congo existia uma imensidão de sanzalas de indígenas cujos chefes tradicionais se dedicavam por séculos ao negócio de caçar pretos no interior  e pô-los ao serviço dos ricos régulos do litoral como escravos. Esse seria, portanto, o principal "motor" do desenvolvimento trazido pelos portugueses, que se limitaram a ampliar o negócio com a exportação da escravatura para o Novo Mundo. Mas o negócio foi efémero, em breve o fogacho da expansão ultramarina foi conquistado por holandeses, ingleses e até, mais tarde, por alemães, cuja actividade assenta em sociedades capitalistas, mas organizadas em torno da atribuição de um valor justo ao Trabalho

sob ameaça do neo-esclavagismo laboral no século XXI os Portugueses mais abnegados voltam a ser expulsos do seu território - que acontecerá aos aos outros insigne-ficantes?

2 comentários:

Set On Fire,Lda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.