Pesquisar neste blogue

segunda-feira, março 23, 2015

Apartheid Americano

Não é em Cuba, não é na Coreia do Norte, nem sequer na Venezuela... - é um centro de detenção no Texas (EUA)* para crianças e adolescentes apanhados nas malhas da emigração ilegal a partir da fronteira do México, o entreposto de importação de droga
os Estados Unidos na prática têm duas "constituições", uma para yankees Wasp (Anglo-Sax-White-People -  gente branca de origem anglo-saxónica) e outra para pretos e hispânicos, vistos como sendo de outro mundo, logo alvo de tratamentos abusivos devido à sua inferioridade. É assim no interior dos EUA, é assim na politica externa sobre todos os paises do terceiro-mundo que são constantemente ameaçados e alvo de acções militares de repressão, a gente indefesa.

Movimiento Nacionalista de Texas: "Necessitamos declarar a independência porque somos diferentes, segregados e com uma cultura única. Não estamos de acordo em absoluto con a política do Governo Federal dos Estados Unidos. Pagamos impostos que vão direitos para Washington, mas não temos ali representantes capazes de exigir uma redistribuição em beneficio dos habitantes do Texas. Temos imensas riquezas que estão a ser usadas para sustentar de forma artificial uma pretensa unidade norte-americana. Uma unidade inexistente entre Estados que todos juntos têm um défice superior a tudo o que é produzido nas contas dos "Estados Unidos. Se todo o lucro que produzimos é exportado para sustentar campanhas militares, qual é o interesse do Estado do Texas pertencer a uma tal federação?. Temos uma fronteira murada com arame farpado com o México que é hoje uma das muitas vergonhas da humanidade.  Criticam actualmente a anexação da Crimeia pela Rússia, esquecendo a anexação da provincia mexicana do Texas pelos Estados Unidos"

mensagem de uma jovem anti-fascista de Kiev: follow the money

.

2 comentários:

Thor disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
xatoo disse...

sobre um comentário racista que não se aceita para publicação neste espaço, vale ter presente que o problema racial em Ferguson foi despoletado pelo assassínio de um negro desarmado por agentes da Policia (quase 100 por cento branca naquele condado)