Pesquisar neste blogue

segunda-feira, fevereiro 24, 2014

Nunca esquecer, a Verdade sobre 11 de Setembro destruirá Israel

"Eu tento afastar-me do conforto seguro das certezas através do meu amor à verdade. E a verdade tem-me recompensado" (Simone de Beauvoir). Pois, hoje em dia, tentar saber a verdade só nos tem é lixado.
Quem já questionou a narrativa oficial para os ataques de 11 de Setembro sabe sem dúvida que é imediatamente apelidado de louco conspirador face aos media estabelecidos em cujas palavras escritas se deve inquestionavelmente acreditar. Porém, como o relatório da Comissão Warren sobre o assassinato de JFK, o Relatório sobre o 11 de Setembro foi montado através duma "investigação" do Congresso, mas está a desmoronar-se e a ser revelado por aquilo que realmente é - nada mais do que uma cortina de fumo. Ou seja, já não é uma teoria da conspiração ... é  uma conspiração de facto. Quem o afirma fundamentadamente é Alan Sabrosky, um especialista em segurança


"Face à crença do público em geral no relatório oficial, o autor cita uma entrevista com o especialista dinamarquês em demolições Danny Jowenko, mostrando a queda de um terceiro edifício do World Trade Center, o pouco referido WTC7 - "a única coisa que é necessário é dizer às pessoas é que caíram três edifícios e não dois, e o terceiro não foi atingido por nenhum avião, aconteceu por demolição controlada, portanto, e como é inverosimil que uns fossem e outros não fossem, todos eles estiveram ligados a demolições controladas (...) Eu tive longas conversas ao longo das últimas semanas com contactos no "Army War College", e no quartel-general do "Corpo de Fuzileiros Navais", e ficou absolutamente claro que em ambas as instituições é 100 por cento certo de que o 11 de Setembro foi uma operação da Mossad" (Alan Sabrosky, escritor e consultor especializado em assuntos nacionais e internacionais de segurança)
a Europa entre Janeiro/2002 e Agosto/2011

A 11 de Setembro de 2001, uma série de ataques coordenados foram realizados nos Estados Unidos. Não certamente por coincidência a data (3 meses de diferença) é praticamente a mesma do lançamento do Euro, congeminando o ataque económico em gestação ao velho continente. O governo dos EUA afirmou então que 19 terroristas, supostamente filiados na obscura al-Qaeda com base no Afeganistão, tinham sequestrado quatro aviões comerciais de passageiros para realizar os ataques. O relatório oficial dos EUA sobre os eventos de 11 de Setembro vem no entanto a ser amplamente contestado por vários quadrantes nos EUA e no mundo. Com o pretexto dos ataques os EUA , sob a administração do ex-presidente Bush , invadiram o Afeganistão em 2001 para supostamente atacar a al-Qaeda abrigada pelo então regime Taliban – um partido politico que meses antes tinha reunido em Houston com responsáveis privados norte-americanos sobre politicas petrolíferas de intercâmbio entre os dois países. Com o mesmo pretexto os EUA atacaram o Iraque em 2003 , insistindo que esse país igualmente rico em petróleo estava na posse de armas de destruição maciça (ADM). E a mesma retórica politica de agressões controladas, desde a assinatura do tristemente célebre acordo firmado entre os países ocidentais aderentes à “Operation Enduring Freedom”, tem vindo a ser seguida no Paquistão, Yemen, Somália, Libia e Síria, tendo como próximos alvos tudo o que seja República Islãmica, a começar pelo Irão, cujo primeiro ataque à libertação do petróleo desse país falhou miseravelmente face à intervenção das milícia populares locais em defesa dos seus recursos nacionais.

A 22 de Setembro de 2011 no seu discurso na Assembleia Geral da ONU, o então presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, pediu uma investigação internacional independente aos incidentes do 11 de Setembro dizendo que esses eventos são uma desculpa muito conveniente para declarar guerras – e acrescentou "os Sionistas no poder em Israel (1) apostam nisso como um exercício verdadeiramente de tudo-ou-nada, porque se eles perderem a capacidade de encobrir os factos, se o povo norte-americano alguma vez vier a perceber o que aconteceu, então Israel será riscado do mapa"

(1) o monstro Sionista, nascido da intervenção militar colonialista da Inglaterra e da França no Médio Oriente no final da 1ª Grande Guerra, teve uma eficaz sequência na politica de conluio de Hitler com Pio XII, o Papa Judeu, a partir de 1933

1 comentário:

taawaciclos disse...

MOSSAD e Granit... Uma combinação de sucesso!

Demolição nuclear... Um espectáculo de belo efeito visual!

Doenças por intoxição de vapores nucleares tóxicos estão a começar a surgir exactamente conforme indica a doutrina nuclear de exposição a radição/vapores/poeira nuclear!

Os "1st responders" que para lá foram agradecem! Especialmente a falta de apoio médico/sanitário/financeiro (mas também escravos são descartáveis!)

A 3ª Torre foi demolida apenas após já não ser mais necessária como centro de controlo de demolição das outras 2 torres (a demolição foi efectuada pelo governo americano como forma de precaver eventual detonação nuclear área ao nível dos embates dos "aviões"!)

O ataque serviu múltipas funções, mas a mais importante é a do COSTUME: SOBERANIA MONETÁRIA E FINANCEIRA DAS FAMÍLIAS JUDAICO/GERMÂNICAS...

Abr
VOZ