Pesquisar neste blogue

sábado, março 30, 2013

Sócrates e a Realidade

No mesmo dia em foi oferecido um vergonhoso lugar no Governo a um ex-espião dos serviços secretos comprometido em mais um infame processo de corrupção relacionado com o sistema de informações do Estado pidesco SIRESP, a população que definha a ver televisão é induzida a odiar uma celebridade da falsa oposição. É mais uma jogada do habilidoso, embora desqualificado, ministro da tutela do serviço público de comunicação social, o famigerado Relvas, aplaudida até pelo bonzo do regime Mário Soares com honras de primeira página no pasquim português do grupo Bilderberg.(e aí está a Ferreira Alves, convidada Bilderberg 2012 para baralhar os dados)

Em boa verdade do que se trata nesta trama é de continuar a apresentar dois embustes. Se o desencanto das pessoas as levam a precisar de ter a quem odiar, quando chegam ao limite de odiar os actuais mentirosos e vigaristas, é-lhes servido sob a obscura e diáfana capa das mentiras esquecidas um novo reavivar dos ódios antigos sobre mentirosos e vigaristas de um passado recente. Quem fica esquecida pelo meio é a odiosa REALIDADE, que nem chega a ser mencionada, nem por uns nem por outros...

No dia seguinte à entrevista o PSD veio desmentir os dados citados por Sócrates sobre as Parcerias Público Privadas (PPP) como sendo falsos. O P"S" naturalmente diz que são verdadeiros. Entre a perplexidade provocada em qualquer cidadão honesto pelo ouvir das estafadas aldrabices das duas facções, escapa-se-lhes que a questão essencial não é sobre mais ou menos dados manipulados sobre as PPP. É sobre as razões porque continua a existir um modelo de negócio da china em que investidores Privados canibalizam as funções do Estado estorquindo-lhe milhares de milhões sobre a forma de rendas garantidas por décadas. Os contribuintes pagam cada vez impostos exorbitantes para proporcionar lucros a Privados, enquanto os serviços públicos se degradam. Estarão PS e PSD de acordo em promover um referendo sobre isto? Entretando a Dívida continua a crescer (porque esta é verdadeiramente a alma do negócio) dos neoliberais, tanto de "esquerda" como de direita
.
Nem de propósito, ainda há poucos dias Paulo Morais, numa artigo intitulado "Parcerias, Patifarias" afirmou taxativamente que "aqui chegados, só há uma solução aceitável: extinguir os contratos e prender quem os forjou". Deixemos a fonte, lá porque tem origem no Correio da Manhã "entregue à sua ignominia" como desabafou Sócrates?...

... não nos parece, uma vez que Paulo Morais foi pronta- mente “intimado” pelos elementos do P"S" na Comissão de Inquérito às PPP na Assembleia da República a concretizar as acusações de corrupção nas mencionadas PPP". Surpreendido com a ameaça velada do P"S" a resposta não se fez esperar: "Se, por outro lado, a referida ordem para responder a perguntas, sob a ameaça da prática de crime de desobediência, me é dirigida, enquanto cidadão com opinião, entendo que tal ordem é, como tal, ilegítima (...) não posso, por outro lado, deixar de manifestar a V. Ex.a a minha perplexidade com o teor de algumas questões formuladas, as quais aparentam mais ser um pedido de satisfações pelo exercício da liberdade de expressão constitucionalmente consagrado, do que um pedido de esclarecimento concreto ou de colaboração, ao abrigo do Regime Jurídico dos Inquéritos Parlamentares (RJIP). Dito isto, caso V. Ex.a tenha interesse na minha opinião sobre o tema objecto da Comissão de Inquérito, deverá convocar-me, enquanto cidadão, nos termos do artigo 16.º do RJIP, para o que manifesto, desde já a minha disponibilidade" Espera-se para ver se o pressuroso P"S" pretende realmente esclarecer, encobrir ou silenciar as denúncias do esquema de corrupção que lesa o Estado e as próximas gerações de contribuintes em milhões de milhões
.

4 comentários:

Bate n'avó disse...

Se quiser ler mais sobre o Pinóquio estudante de filosofia dê um salto aqui: http://portadaloja.blogspot.pt/


Não sei se alguém deu conta das noticias referente a Chipre, que camiões foram aqueles que foram "largar" dinheiro aos magotes nos dois bancos principais da ilha?!?
Então, as transacções entre clientes e bancos, bancos e bancos, não é feito por transferência electrónica?
O que foi este "despejar" de dinheiro (ou não)?

Anónimo disse...

O "El País", pasquim espanhol do grupo Bilderberg.......

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.