Pesquisar neste blogue

terça-feira, julho 01, 2014

CGTP, uma peça do Estado burguês na contenção da luta dos trabalhadores

Trabalho?
a CGTP é inoperante no sector Estado (depende dele para existir) e muito pouco representativa no sector privado - "Os níveis de filiação sindical são significativamente baixos no nosso país. Por exemplo, um estudo do Banco de Portugal indica que, em 2010, apenas 11% dos trabalhadores no sector privado eram sindicalizados. Além disso, os trabalhadores sindicalizados tendem a ter perfis e perspectivas muito diferentes da generalidade dos trabalhadores, uma vez que detêm níveis de antiguidade elevados, vínculos laborais permanentes, e trabalham em empresas de grande dimensão e em sectores de actividade caracterizados por níveis de concorrência baixa" (daqui)

Em entrevista dada à RTP Informação na véspera de um encontro da CGTP com Passos Coelho,
é poucachinho mas sempre é uma ajuda Sr. 1º Ministro
Arménio Carlos
, depois de expor as denúncias da central sindical sobre a política terrorista do governo PSD/CDS, designadamente, a que se prende com as recentes medidas de alteração da legislação laboral com vista à liquidação da contratação colectiva
e da manutenção do roubo do salário nas horas extraordinárias, foi questionado sobre o que pensava esta central sindical fazer perante a mais que expectável posição do primeiro-ministro de nada ceder. Até aí muito loquaz, Arménio Carlos entupiu, desviou a conversa para outras paragens e, o mais longe até onde conseguiu ir em matéria de resposta da Intersindical, foi a de ameaçar o governo com uma maior mobilização para ... uma (outra) manifestação.

Arménio Carlos e a Intersindical, apesar de concluírem que nada há esperar do governo de traição nacional PSD/CDS senão a continuação da sua política de austeridade, imposta pela permanência do país no Euro e de admitirem que a concertação social apenas serve para o governo obter a cobertura para aquela sua política por parte do patronato e da UGT, apesar de tudo isto, insistem – a exemplo do PCP – em pedir audiências a Passos Coelho e a manterem-se no diálogo da nova câmara corporativa que dá pelo nome de concertação social. Arménio Carlos mostrou, mais uma vez, de forma lastimável que não tem qualquer alternativa revolucionária para a revolta operária e popular contra a política deste governo e que, no fundo, ao seguir a sua actual estratégia de canalizar a luta dos trabalhadores pelo derrubamento do governo para sucessivas e cada vez mais desmobilizadoras manifestações, está a conduzir o movimento operário e popular para um beco sem saída. (Luta Popular)


5 comentários:

Diogo disse...

Absolutamente de acordo! A CGTP é uma peça do Poder para acalmar as populações (a saltar eternamente de manifestação inútil em manifestação inócua).

j. disse...

40 anos depois e o PCTP/MRPP ainda não foi capaz de criar a sua central sindical?

Outros partidos comunistas de reduzida dimensão, noutros países, conseguiram-no. Mas não estiveram entretidos a conspirar com os xuxas contra os social-fascistas locais, isso é verdade.

Aurora disse...

Os anos passam e vocês continuam na mesma.

José Corvo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
José Corvo disse...

Eu pensava que o MRPP se tinha reciclado, afinal está na mesma ou quase.