Pesquisar neste blogue

quinta-feira, abril 18, 2013

o Massacre de Lisboa em 19 de Abril de 1506

Um pequeno livro da central de propaganda judaica em Portugal tenta comprovar a "antiguidade da presença dos judeus na Ibéria" recorrendo para isso à habitual vitimização da seita. Para tal invoca-se o "Massacre dos Judeus" de Lisboa a 19 de Abril de 1506. É mais uma mistificação. Que houve um massacre é indubitável, agora que as vítimas fossem judeus definidos nos mesmos termos catastróficos dos contemporâneos é que é algo mais que duvidoso. "Judeus" foram uma determinada classe social que evoluiu a partir e dentro da colonização árabe da peninsula ibérica durante 8 séculos. Os judeus ditos "sefarditas" (de Sefarad, as terras do Ocidente (1) são de ascendência árabe. Inicialmente o termo referia-se apenas ao al-Andalus, a provincia da Bética romana e sul da Hispânia onde os primeiros árabes que chegaram pelo norte de África a partir do ano de 711 se estabeleceram preferencialmente,, ou aos bárbaros das tribos germânicas invasoras que permaneceram e foram imediatamente arabizadas ela superioridade da cultura e técnicas muçulmanas. A extensão da designação "sefarditas" a toda a peninsula ibérica só ocorre depois da reconquista cristã e do Decreto de Expulsão ou Conversão dos muçulmanos (sob pena de confisco dos bens a favor de quem os acusasse) após a queda do último reino na Ibéria, o califado de Granada em 1492. Em toda a historiografia castelhana o termo para designar as vítimas da chamada "limpeza de sangue" para que pudessem permanecer em terras da cristandade é a de Mouriscos (2). Se olharmos para o Édito de Expulsão dos Reis Católicos com uma lupa não encontramos um único sinal de "judeus". Os auto-designados "Sefarditas" eram Árabes, por isso os judeus de origem Alemã os odeiam, ao melhor estilo racista dos arianos de ascendência indo-europeia ditos Semitas. Ashkenazis é o termo num dialecto semitico medieval para as populações oriundas da Europa Central e Kazaria, usado para designar as populações estabelecidas na Alemanha (Ashkenaz). Se expurgarmos da equação histórica as fantasiosas lendas bíblicas é apenas isto que sobra.
 
Gravura do Largo de São Domingos antes do terramoto
Revisitados os registos históricos de Lisboa, encontramos vestigios árabes mudejares e da multiculturidade da cidade por toda a parte: na toponominia: o bairro da Mouraria, a rua do Poço dos Negros (onde eram despejados os pretos mortos), a Calçada do Poço dos Mouros (onde eram despejados os mouros mortos), o casario de Al-Jama (Alfama) que cerca a al-Medina (o castelo), a freguesia de Fátima (do nome da filha do profeta Maomé (3) na linguistica: a figura do Alcaide (al-qa-id) o juiz eleito pela comuna árabe que zela pelo cumprimento da "Ley dos Mouros" (4), o cargo de Almoxarife dos direytos dos mouros a quem competia "arrecadar os nossos (do monarca) impostos sobre os bens dos mouros conversos". Destas cobradores do Rei se construiu a fama dos inventados "judeus portugueses" (5). No restante nem vestigios comprovados da existência de alguma sinagoga de religião própria nem outros sinais deles... excepto o legado de transmissão oral de profecias, magias, alquimias e outras vigarices. Existe contudo o relato do alemão Jerónimo Munzer (que traz na alcunha pelo qual era mais conhecido, Hieronymus Monetarius, o estigma de quem funcionava como banqueiro) e que entre 1494 e 1495 na viagem que fez por Espanha e Portugal, descreveu a cidade de Lisboa, falando "na principal rua de comércio, dizendo que era nela que moravam os mais ricos, e onde as pessoas são muito educadas. Os mais ricos, genericamente, são alemães e holandeses. Vivem na Rua Nova que está construída ao estilo alemão: A maior parte deles dedica-se ao comércio. Encontram-se aqui judeus imensamente ricos, quase todos mercadores, e que apenas vivem do trabalho dos seus escravos”. Em boa verdade é nesta cena que começa de facto o drama da colonização de Portugal pelos fundos financeiros Europeus, em concreto por alemães (logo igualmente por judeus asquenazis, como Jakob o Rico, fundador da dinastia dos banqueiros da casa Fugger, entre outros, que haveriam de financiar a chamada "epopeia dos Descobrimentos (por conta de outrem")

Na última edição do mesmo "Massacre dos 4000 Judeus" houve o decoro de retirar da capa os espirros pintalgados do sangue derramado. Assim sendo a mistificação ficou um pouco mais asseada. Passe a mentira da capa, o pior é mesmo o conteúdo. Os autores citam como fontes uma breve lista que se pode completar deste modo:

1. Um manuscrito redigido por um marinheiro anónimo de origem alemã que se encontrava fundeado no porto de Lisboa e que parece ser o relato mais fidedigno do Massacre ocorrido em Abril de 1506. Nele não se escreve uma única vez a palavra "judeu".
2. Garcia de Resende (1470-1536), que cita na "Miscelânea":  "os judeus vi cá tornados/todos num tempo christãos/os Mouros então lançados/ fora do Reyno passados/ e o reyno sem pagãos/ vimos sinagogas mezquitas/ em que sempre erã dictas/ e pregadas heresias". Da expressão "sinagogas mezquitas" se deduz que os locais de culto de árabes e judeus, eram uma e a mesma coisa. No que se refere ao massacre de 1506 note-se que esta obra foi escrita 48 anos depois, no ano de 1544, o que coloca especial ênfase na expressão "os judeus vi cá tornados"... (6)
3. Damião de Góis (1502-1572), na “Crónica do Felicissimo Rei Don Manuel de Góis”, encomendada pelo Cardeal Don Henrique, também patrono-mor da Sancta Inquisição do Reino, impressa em Julho de 1566. No capitulo 102 evoca com minúcia "do alevantamento que se em Lisboa fez contra os Christãos-Novos". Refere 1000 mortos (muito longe dos 4000 da propaganda judaica), mas nem por uma vez a palavra "judeus" é mencionada.
4. Jerónimo Osório, Bispo cristão de Silves (1506-1580), nascido nesse mesmo ano do massacre, teólogo de origem castelhana e amigo de Inácio de Loyola, influenciaria mais tarde D. João III de Portugal a chamar a Companhia de Jesus para Portugal. Fez estudos em Teologia cristã e os seus alegados conhecimentos da "língua hebraica" ter-lhe-iam permitido ler as obras dos Sagrados Padres da Igreja. Em 1537, D. João III nomeou-o professor de Sagrada Escritura na Universidade de Coimbra. É nessa qualidade que faz uma referência ao Massacre de 1506 num escrito datado de 1571, isto é, 65 anos depois do acontecimento.
5. Solomon Ibn Verga, autor do “Shebet Yehuda” (“o Ceptro de Juda”), um dos 12 líderes das tribos israelitas dos 12 filhos da personagem da mitologia bíblica Jacob. “Ibn Verga não assistiu in situ aos acontecimentos do Massacre, recriou a sua narrativa através de testemunhos orais, encontrando-se o texto original escrito em hebraico, publicado postumamente pelo filho Joseph Ibn Verga, conforme citado por Yosef Hayim Yerushalmi, (1932-2009) judeu norte americano, professor na Universidade de Columbia. Trata-se de pura mistificação bíblica contemporânea. (ver nota complementar nº 8)
6. Yosef Ha-Kohen (1496-1575) um estrangeiro nascido em Avignon que viveu em Castela na povoação de Cuenca vindo a falecer em Génova, cuja única afinidade é ter-se servido do livro de Samuel ben Usque “Consolação às Tribulações de Israel” como fonte para a obra de sua autoria “Crónicas dos Reis de França e da Turquia” (1558)

O quadro de François Dubois "Massacre de Saint-Barthélemy" (1576) ilustra um dos episódios das perseguições e assassinatos de hereges protestantes por fanáticos cristãos ocorridos em Paris no ano de 1572


7. Imanuel Aboad (1555-1628) deixou um testemunho “já datado do século XVII e muito ao sabor e tradição do profetismo bíblico (citado a pp 69 da própria obra aqui criticada).
8. Isaac Abranavel, (1437-1508) é uma das testemunhas mais importantes. Infelizmente não residia em Portugal desde à muito. Entrou ao serviço do rei Afonso V de Portugal como tesoureiro e, abusando das suas funções, converteu-se num rico financeiro (obviamente judeu). Abravanel foi obrigado a deixar o seu cargo, tendo sido acusado pelo Rei D. João II (1481-1495) de conivência com o Duque de Bragança, que foi decapitado sob acusação de conspiração. Avisado a tempo, Abravanel salvou-se, fugindo em sobressalto para Castela em 1483, ou seja, 23 anos antes do massacre. Relatos de época referem a figura simplesmente como o "Abarbanel" (daí o léxico popular "abarbatar"). Não voltou. Nem foi minimamente afectado com a "ordem de expulsão" de 1492. Radicado em Toledo começou a servir a casa de Castela, juntamente com o seu amigo e influente Don Abraham Senor, de Segóvia, encarregando-se ambos (7) de administrar as receitas públicas e fornecer abastecimentos ao exército real, com "contratos que executaram com boa competência, para satisfação total de Fernando e Isabel de Castela".

9. Samuel Usque,  Diz a informação difundida pelas fontes judaicas que Samuel ben Usque (segundo lhe reza o currículo contemporâneo, “autor de uma obra prima da literatura portuguesa e sefardita”), provavelmente nasceu em Lisboa no ano de 1500, "tendo fugido das barbáries da Santa Inquisição (instaurada em Portugal no ano de 1536) e indo viver durante algum tempo na italiana Ferrara", onde 17 anos depois foi publicada a sua única obra conhecida, a “Consolação às Tribulações de Israel” (1553), ali feita na casa do impressor Abraão ben Usque, personagem que usava também o nome de origem ibérica Duarte Pinal. Nesse mesmo ano de 1553 e na mesma oficina foi igualmente impressa a "Biblia de Ferrara", livro em cuja capa se inscrevia: "Biblia en Lengua Española Traducida Palabra de la Verdad Hebrayca por Muy Excelentes Letrados, Vista y Examinada por el Oficio de la Inquisicion. Con Privilegio del Ylustrissimo Señor Duque de Ferrara"

Como se explica que Samuel ben Usque tenha "fugido da bárbara Inquisição cristã" em Portugal indo refugiar-se e trabalhar em perfeita sintonia com a Inquisição italiana decretada pela bula Papal “Pessimum Genus” (8) para todos os reinos europeus? (9)

*****
A pintura abaixo é uma cópia portuguesa de péssima qualidade do original francês (candidamente apelidado em deferência à Biblia de "Massacre dos Inocentes", tendo vindo a ser apresentado como ilustrando o "Massacre dos Judeus em Lisboa" ocorrido a 19 de Abril de 1506. A falsificação é grosseira e evidente, tanto mais que na época tardia em que foi feita existiam documentos de como teria sido a Lisboa de antes do terramoto (vidé gravura em cima à esquerda)
 

notas
(1) Inicialmente Sefarad era Sardis, capital do reino da Lidia no tempo do imperador Dioclesiano, uma das sete igrejas do "Livro do Apocalipse". No seu apogeu foi uma cidade rica por se situar no vale do rio Hermo cujo leito era rico em ouro. A invenção da moeda é atribuida aos Lídios.
(2) "Historia de los Moriscos, Vida Y Tragedia De Una Minoria", Domínguez Ortiz e Bernard Vincent, 1978 e "Deportados en Nombre de Dios", Rafael Carrasco, 2009.
(3) Fátima, de Fatma, também nome de povoação nos arrebaldes de Meca. Ver o livro "Os Mouros Fatímidas e as Aparições de Fátima" de Moisés Espirito Santo, Assirio&Alvim, 2006.
(4) Citado por Maria Filomena Lopes de Barros em "A Comuna Muçulmana de Lisboa, séculos XIV e XV", Biblioteca de Estudos Árabes, edições Hulgin, 1998
(5) À semelhança da popular obra do académico israelita Shlomo Sand "A Invenção do Povo Judeu", na qual se defende que depois da citação dos habitantes da Judeia pelo historiador romano Flavius Josefus no ano 76, não existiu pelos18 séculos seguintes qualquer outra citação historiográfica sobre os Judeus, só vindo estes de novo a ser mencionados no século XIX com o nascimento da ideologia Sionista.
(6) Garcia de Resende teria escrito que o povo amotinado pelos “dous frades domínicos pregadores nos púlpitos e senhores em lugares públicos, citadinos e vilãos, nas praças, atribuindo aos cristãos-novos a responsabilidade da fome, peste ou terramoto que vinham (...) mais de quatro mil matarom”. Mas, este testemunho de Resende na qualidade de poeta da Corte escrito 48 anos depois, não é fiável, quando comparado com a descrição just-in-time de Damião de Góis, que refere cerca de 1000 vítimas de conversos herejes (e não exclusivamente judias)
(7) Existe um descendente contemporâneo desta familia que, na sua famosa diáspora de judeus errantes, foram parar ao Brasil. Trata-se de Senor Abravanel (n 1930), de nome artístico Silvio Santos, um magnata dos Media com um património calculado em 6 mil milhões de reais.
(8) Inocêncio VIII inspirou-se em Tácito para evocar o título: "Pessimum inimicorum genus laudantes", traduzindo: "aqueles que nos louvam e bajulam são os nossos piores inimigos"

(9) É sabido como se resolvem este tipo de contradições, usado desde sempre pelos monges copistas da escolástica medieval: vão-se alterando ou omitindo subtil e cirurgicamente cópia após cópia certas passagens do texto. Samuel Usque teria dito que no dia seguinte ao inicio do massacre dos judeus "El- Rey com diligência veo a socorro, diz-se por “simpatia maior con os judeos” – mas quem o diz? O contemporâneo judeu norte americano Yosef Hayim Yerushalmi na obra escrita em Cincinnati datada de 1976 “The Lisbon Massacre of 1506 and the Royal Image in the Shebet Yehudah”
(10) A edição moderna da "Consolação às Tribulações de Israel" é da Fundação Calouste Gulbenkian, 1989; com coordenação do mesmo Yosef Hayim Yerushalmi, professor de Estudos Judaicos nas Universidades de Colúmbia e Harvard
.

8 comentários:

Bate n'avó disse...

Para quem ainda não sabe onde nasceu a famosa tribo do deserto, fica aqui um artigo completo:
http://winstonsmithministryoftruth.blogspot.com.br/2013/01/i-know-slander-of-those-who-say-they.html

Infelizmente sem tradução em português.

Diogo disse...

Não houve massacre nenhum!

http://citadino.blogspot.pt/2008/04/o-holocausto-judeu-em-lisboa-no-ano-de.html

xatoo disse...

Nem oito nem 80. Nessa época de obscurantismo religioso era costume acusar-se os herejes e os pagãos que se recusavam a acreditar no cristianismo e culpá-los por todas as desgraças do mundo.
a única mistificação é que não eram "judeus" mas mouriscos assimilados que permaneceram depois da ordem de expulsão de 1492.
Outros cronistas referem o mesmo facto, não o iam inventar todos:
Sentindo-se alvo de castigo divino, o ódio popular, acicatado pelos frades dominicanos vira-se contra os cristãos-novos (na maioria mouros-forros chamados de “tornadissos”, isto é, “tornados cristãos convertidos à força”, especialmente aos ricos, com a acusação de “a peste, a guerra e a fome terem entrado no nosso reino pelo pecado da Usura, porque ainda são judeus nos seus corações, inimigos da Fé cristã. Fazer judiarias, isto é, enriquecer pela usura, é negativo e a palavra “judeu” torna-se pejorativa...

Bate n'avó disse...

«Em Os Mouros Fatimidas e as Aparições de Fátima, Moisés do Espírito Santo apresenta uma versão cautelosa dos acontecimentos não só deveras interessante como bem mais verosímil.
Ao contrário do que comummente se crê, não foram árabes quem invadiu a Península Ibérica em 711, mas sim berberes de Marrocos, pertencentes às tribus Macemuda e Zenaga, comandados por um berber, Tarik.
Os Macemudas diziam-se descendentes de Fátima, filha de Mohamed, e a sua doutrina era um chiismo primitivo, considerado herético pelo Islão ortodoxo, ou sunita, e que tinha muitos pontos comuns com o gnosticismo, o zoroastrismo e o misticismo cristão. Para os chiitas, a legitimidade da sucessão do Profeta pertence aos descendentes de Fátima, cujo marido, Ali ibn Talib, foi o primeiro Imam, dele descendendo onze imanes. Esta descendência, que podia ser genealógica ou espiritual, implicava a transmissão de um Segredo sobre a chave para a interpretação do sentido secreto e alegórico do Corão. O último Imam, Muhamad al-Muntazar (Mohamed, o Esperado), nasceu, miraculosamente, no ano 255 da Hégira (868 A.D.) e miraculosamente desapareceu cinco anos depois; ocultou-se fisicamente, mas vive, ainda hoje, no seu corpo físico, num mundo supra-sensível, aguardando a chegada da hora da Desocultação Messiânica em que, como Messias, combaterá a injustiça e a decadência moral, após o que virá o Senhor Jesus, filho de Maria, para o Julgamento Final.
Os Macemuda e Zenaga ocuparam a Serra de Aires, onde, naturalmente, deixaram numerosos vestígios toponímicos, quer da sua presença de cinco séculos, quer do seu próprio sistema religioso. Citem-se, a título de exemplo, Moçomodia, uma aldeia de Fátima, que deriva de Macemuda; Zanaga, um bairro de Caixarias, que vem de Zenaga; Fátima, a freguesia, que retirou o seu nome de Fátima, a filha do vali de Alcácer do Sal e protagonista de uma bela lenda dos tempos da fundação de Portugal; Fazarga, um cabeço situado a cerca de dois quilómetros da Cova da Iria, que vem de az-Zagra, a Resplandecente, um dos títulos de Fátima, esta a filha do profeta; Chita, uma ribeira, derivada de chiita; Aljustrel, que virá do hebraico, ou do púnico, ahl ses tr'eli, gente que invoca o regresso de Ali, ou Elias; Madalena, uma corrupção do árabe mahdi i'lana, messias anunciado; Iria, que deriva de riya (lê-se eriía), um grau do sufismo, que significa aparecer, mostrar-se, porque o iniciado sufi começa a ver coisas, etc.
Assim, na opinião deste autor, é muito provável que na região que hoje é a Cova da Iria, sufis das tribus Macemuda ou Zenaga hajam tido várias visões que terão tomado pelo Imam Oculto ou por Fátima, a filha do Profeta. Séculos mais tarde, as visões ter-se-ão repetido na presença de três crianças que tinham acabado de rezar as contas, uma prática semelhante à que os sufis usam para alcançarem o êxtase, cujos relatos contêm a mesma gnose dos fatimidas macemudas: "aparição do Oculto, vulto de luz masculino-feminino de 15 anos, cinco figuras ao lado do sol, sinais no sol", diz Moisés Espírito Santo. Daí que, hoje em dia, os Marroquinos estejam persuadidos de que os Portugueses veneram, na Cova da Iria, Saidatuna Fatemah (Senhora Nossa Fátima), ou Leila Fatemah (Dama Fátima)».
de Moisés do Espírito Santo.

Sobre a ocupação árabe da peninsula.

Arthur disse...

Faz tempo que não leio tanta bobagem junto..............é claro
que houve massacre e é obvio que foram os judeus que vieram a perecer............mais um daqueles artigos revivionistas, cheio de invençõe, distorçõe e mentiras, cujo único proposito fomentar ódio racial contra os judeus................

xatoo disse...

"é obvio" é uma afirmação pouco fundamentada. Quer explicar melhor o que entende por "judeu"?...
...acha que tipos como Alan Greespan, Ben Bernanke, ou Timothy Geithner, só para citar 3 deles ligados à alta finança global têm alguma coisa a ver com ascendência semita?

Arthur disse...


Com o final da 2 guerra mundial, ficou politicamente incorreto ser anti-semita, não que este tenha desaparecido, assumiu nova forma, e principalmente os revisionistas, que sob o pretexto de questionar o holocausto, na verdade estão destilando seus ódios ao povo judeu, e dai para questionar a inquisição é um pulo, volto a ressaltar, que nesta singela tentativa de revisar eles mentem, adulteram, inventam e fazem crimes históricos, muitas vezes os artigos parecem ter caracter cientifico e de pesquisa, tudo falsificado e mentiroso, vc. pode notar isto aos dois debatedores anteriores o bate n'avó com seu site para lá de anti-semita e neonazista, e do ridículo do diogo que deixa batente seu anti-semitismo e ódio ao povo judeu, os anti-semitas se dizem anti-sionistas mas na verdade são o mesmo lado da moeda, na verdade estão exalando seu ódio, gostaria de ressaltar que estes usam os conflito entre israelenses x palestinos, mas esta é só mais uma artimanha para justificar sua irã, ressalto que sou a favor de dois estados convivendo em harmonia, e sou totalmente favorável ao entendimento,..........sei que para quem mantém um blog, as vezes cai nestas armadilhas, na intenção de publicar coisas novas e diferentes, acaba publicando mentiras e mensagens de ódio racial, conheço este blog e sei que não é seu caso mas que vc. foi extremamente infeliz a isto foi.......por isto seja mais cuidadoso, atrair atenção acaba trazendo para este blog pessoas como as de cima, de extrema-direita, neonazistas e anti semitas, que si bem não é seu caso.

Deise Raso disse...

Xatoo....Meus parabens pela coragem de mostrar ao mundo as mentiras deste povo aproveitador e enganador..Nao precisam destas armas para tirar proveito da desgraça dos outros..No Brasil foi assim tbem..surrupiaram muitos kilos de ouro do governo portugues com indenizaçao vitimista