Pesquisar neste blogue

segunda-feira, setembro 01, 2014

"O preço de ser Israel"

"A história do sionismo é um debate permanente, fora e dentro do judaísmo". E logo nesta primeira linha surge a falácia: porquê o sr. António Guerreiro autor deste artigo acha que as pessoas têm de ser organizadas por dentro ou por fora das religiões? o tratado de Westfalia no século XVI pôs fim às guerras religiosas, pensávamos nós, com a criação da forma "Estado", uma entidade laica, mediadora da liberdade de expressão (1). Três séculos depois, relembra-se o que Marx escreveu sobre a "Questão Judaica": que os judeus, como expoentes máximos do capitalismo, acabariam por desaparecer consoante se fossem integrando nas sociedades de acolhimento, concluindo: "O dinheiro é o Deus zeloso de Israel, diante do qual nenhum outro deus pode existir (...) portanto, a emancipação dos judeus é a emancipação da humanidade do judaísmo (...) num regime socialista não existirá discriminação por motivos religiosos (...) os amantes do dinheiro extinguir-se-ão...". E foi isso mesmo que aconteceu: os judeus, por opção religiosa ou por proselitismo estão todos juntinhos a gerir a Reserva Federal dos EUA que emite a moeda imperial à qual todas as outras nações pagam tributo. Como se vai vendo, a história do Sionismo não se resume ao Médio Oriente, goes global - uma nova forma de fascismo, conforme escreveu o mesmo António Guerreiro sobre a uniformização cultural que se vai tornando igualmente global

A medalha cujo verso e reverso se reproduz abaixo foi cunhada por ordem de Joseph Goebbels em 1933, para comemorar a expedição Nazi à Palestina. Um dado que é preciso investigar a fundo para esclarecer as obscuras conexões entre o Sionismo e o III Reich alemão. A imagem da educação em Israel na disciplina de uso de armamento de guerra é contemporânea.
O plano consignado com a criação da empresa alemã Haavara ("uma espécie de agência de viagens para a Palestina") foi assinado em 25 de Agosto de 1933 entre a Federação Sionista da Alemanha (Zionistische Vereinigung für Deutschland), o Banco Anglo-Palestiniano (agindo sob as ordens da Agência Judaica) e as autoridades económicas da Alemanha Nazi. O acordo de tranferência foi projectado para facilitar a emigração de judeus alemães para a Palestina...

...o emigrante pagava um certo montante de dinheiro à empresa de colonização sionista, a título de investimento, recebendo o capital ou bens de fabrico alemão no seu destimo como colono.
Nada de muito diferente do que se continua a passar hoje em dia "Na Alemanha de Hitler, o acordo funcionou regularmente pelo menos até um ano antes da declaração de guerra dos judeus ricos dos Estados Unidos à Alemanha (1939), sendo conhecido como "Kapitaltransfer nach Palaestina". O principal proponente do Acordo Haavara foi o judeu Haim Arlosoroff. O acordo entre sionistas e nazis, além de permitir a emigração de judeus possibilitou a recuperação de boa parte dos valores dos activos de que dispunham na Alemanha - apesar do imposto sobre a remessa de capitais para o exterior, correspondente a 25% sobre o valor transferido, conforme previsto pela legislação alemã. Aproximadamente 60.000 judeus alemães beneficiaram-se dessa cooperação entre as organizações sionistas e autoridades alemãs. Ao emigrar, levaram consigo 100 milhões de dólares (uma quantia astronómica para a época), recursos que serviram para lançar as bases da infraestrutura do futuro estado de Israel. (wikipedia)

9 comentários:

Thor disse...

xatoo, a generalidade do artigo não está mau. pelo contrário. até está bom. justiça seja feita.

mas peca pela mesma miopia de sempre em meter o fascismo e o nazismo ao barulho, e metê-los no mesmo saco do sionismo, quando não têm nada a ver um com o outro.

o marxismo, esse sim, tem tudo a ver com o sionismo.

e informa-te antes de vires falar de pactos entre o nazismo e o sionismo.

http://hyperborea-land.blogspot.pt/2012/02/israel-o-satelite-comunista.html


não houve nada de mais entre o nazismo e o sionismo. a única colaboração que houve foi no acordo de Haavara, que Hitler depois de hesitar bastante lá assinou o acordo, para facilitar a imigração de judeus para a Palestina, o que obviamente convinha a todos.

xatoo disse...

onde é que está escrita aqui a expressão "pacto-nazi-sionista"?

o modelo de instalação inicial de Israel foi de facto o cooperativismo organizado nos kibutzs, do mesmo modo que os kolkozes soviéticos. E daí? há uma coisa que se chama "dialéctica" e que se aplica à análise dos processos históricos. Não deste por nada?
http://pt.wikipedia.org/wiki/Dial%C3%A9tica

Anti-ZOG disse...

Xatoo,

Uma pergunta.
Acreditas no Holocausto?

Thor disse...

nem falei sequer em kibutz.
falei no judeu-maçon caraíta chamado Estaline que apoiou e apadrinhou o nascimento de israel, juntamente com outro judeu-maçon (Truman) e entrou com armas da checoslováquia para esse país. além de antes do nascimento de israel, ter criado uma provincia autónoma judaica na urss junto à fronteira com a China, chamada "oblast". e ter decretado pena de morte para "anti-semitas".

só em meados dos anos 50 (depois da morte de estaline) é que a urss deixou de ser sionista, mas não foi sequer por vontade própria e sim mais por afastamento voluntário de israel, porque no ensaio da "guerra fria", israel resolveu escolher o lado dos EUA, e foi só então que a urss começou a apoiar mais os paises àrabes (nem todos, mas pronto)
mas todos os líderes da urss foram judeus. literalmente todos.
de 1917 a 1991, de Lénine a Gorbachev, eram todos judeus.
e maçons, senão eram todos, eram quase todos.

ora, há muitíssima mais ligação entre o marxismo e sionismo, do que entre nazismo ou fascismo e sionismo.

xatoo disse...

a palavra Oblast em russo quer dizer "região autónoma" ou "provincia" estúpido. E confinante com a China tanto pode ser Lipetsk como Riazan. E onde é que está aqui algum gueto judeu? Estaline ter decretado pena de morte para "anti-semitas", parece-me bem, aplica ainda hoje perfeitamente a cabrestos ultras da extrema direita racista e xenófoba. E por último, aprecio particularmente a opinião concisa destas bestas: "senão eram todos, eram quase todos"... Vai-te catar pá, andas por sitios errados, não te chega o blogue lá do teu amigo Dioguinho para dar cabeçadas, facadas e punhaladas nos tenebrosos "iluminatti"?

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Thor disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
xatoo disse...

Terminou o tempo de antena de papagaios anti-comunistas neste espaço