Pesquisar neste blogue

domingo, julho 04, 2010

A depressão que vive dos juros da dívida engendrada pelos ricos

“Estamos nos estados iniciais de uma terceira depressão, que deverá ser como a Longa Depressão e o reflexo do fracasso das medidas tomadas. Os custos para a economia mundial serão enormes...
“Se se cortar na despesa (nos investimentos públicos) em plena depressão (o que agrava essa depressão e abre caminho à deflação) é, na realidade um tiro no pé...
Quem investe em títulos de dívida não gosta de governos com défices incontroláveis...
A Reserva Federal parece ciente dos riscos de deflação. Contudo o que se propõe fazer para prevenir riscos é... nada....
A Grécia concordou instituir rigorosas medidas de austeridade e viu os seus spreads de risco crescerem ainda mais...
É a vitória de uma postura ortodoxa, que tem pouco que ver com uma análise racional, cujo dogma central é que a imposição de sofrimento aos outros é a maneira certa de mostrar capacidade de liderança em tempos difíceis...
E quem vai pagar o preço deste triunfo da ortodoxia? Dezenas de milhões de trabalhadores desempregados. Destes, muitos ficarão sem emprego durante anos; os restantes nunca mais voltarão a trabalhar”

Paul Krugman, Nobel da Economia em 2008, no NYT 28 Junho 2010
.

1 comentário:

Karocha disse...

http://infamias-karocha.blogspot.com/