Pesquisar neste blogue

quinta-feira, setembro 16, 2010

Começou ontem mais uma “nova” legislatura…

… hoje manhã cedo veio logo à baila os avisos sobre a aplicação do PEC2 (uma coisa que já se sabia) (1) e uma vez que é função da actual maioria manobrar no sentido da aplicação da garantia de pagamento da “dívida odiosa”, isto é, uma dívida contraída por interesses obscuros, à margem da “democracia representativa”, a qual exclui daquela casa (por principio eleito pelas cliques dirigentes partidárias), na prática, as classes populares de qualquer efectiva participação real.

Tanto quanto é possível averiguar-se no site da Assembleia, o perfil profissional dos deputados é o seguinte:
70,34 por cento são homens (162) e apenas 29,66 são mulheres (68). 42 por cento são advogados, juristas e magistrados; 32 por cento são técnicos da área da educação; 16,5% são quadros gestores da administração pública; 9,5 por cento são economistas da área liberal; 3,8 por cento são políticos que nunca fizeram outra coisa na vida, havendo apenas 1,2 por cento de deputados oriundos do mundo do trabalho (2 deputados). Há ainda 1 agricultor (que deve ser o Paulo Portas). Não é decerto com esta tribo de 94,3 por cento de privilegiados amanuenses do Poder (2), uma espécie de casta burocrática que nada sabe dos reais problemas da economia e produção que vamos esperar qualquer mudança no país (para melhor)

(1) João Teixeira Lopes: "No fim, sabemos que os impostos vão aumentar sem justiça fiscal e que os salários vão baixar"
(2) os deputados ganham 3708 euros de salário-base, o que corresponde a 50% do vencimento do presidente da República. Os subsídios de férias e de Natal são pagos em Junho e em Novembro e têm direito a 10% do salário para despesas de representação. Como também lhes são pagos abonos de transporte entre a residência e São Bento uma vez por semana, e por cada deslocação semanal ao círculo de eleição, um deputado do Porto, por exemplo, pode receber mais dois mil euros, além do ordenado (fonte: Inverbis.net)
.

3 comentários:

Anónimo disse...

Temos que acabar com este forróbodó :Curioso é,não estarem representados proporcionalmente o pessoal que trabalha e,apenas escroques(tirando aqueles q estão lá p defender o interesse do mais pobre,claro!).

Anónimo disse...

http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=21044

Ora aqui está um olhar para o que nos espera...

Karocha disse...

http://infamias-karocha.blogspot.com/