Pesquisar neste blogue

quinta-feira, janeiro 30, 2014

Involução na Ucrânia: quem está a actuar nas ruas "não são manifestantes, mas sim mercenários pagos com o dinheiro do Ocidente, quer dizer com os nosso impostos"

Não é o povo que aqui comanda os acontecimentos, é uma determinada classe social; a burguesia pró-europeia pode estar a escrever sim, mas esta história não é revolução nenhuma; é uma história comandada pela Direita, Neonazis incluidos. Os operacionais da Oposição à democraci# contra o presidente eleito não hesitam em empunhar armas de fogo contra as forças da ordem; e nisto têm o apoio das forças imperialistas mais conservadoras, como por exemplo o senador McCain que visitou o país incentivando-os à revolta (ver fotos)
Em primeira instância, aquilo a que estamos a assistir é à pressão para cooptar mais 44,5 milhões de potenciais consumidores para o "mercado", isto é, para a banca e para as multinacionais ocidentais. 17% dos ucranianos são de origem étnica russa e 24% falam o russo como primeira língua. Face à pressão e patrocinio da União Europeia à rebelião, o Partido Comunista da Ucrânia acaba de tomar posição: o país não deve aceitar o domínio de qualquer dos dois imperialismos em competição, ou seja, trata-se de escolher a potência imperialista a que a burguesia nacional prefere submeter-se. Porém, "o perigo do fascismo é mais grave quando vem associado ao imperialismo. Sem deixar de realçar que a luta entre Rússia e a União Europeia (que apoia milícias paramilitares ilegais) pelo controlo do "mercado" ucraniano é uma luta entre burguesias, nota-se que há um lado que se dispõe a apoiar neo-nazis para atingir os seus objectivos, este detalhe faz toda a diferença. O controlo de um país por qualquer burguesia nacional ou estrangeira tem de ser combatido, mas o fascismo associado a um bloco imperialista é especialmente grave. O imperialismo da União Europeia é mais forte, está mais consolidado e é mais ameaçador para o povo ucraniano isso deve estar claro".
O que queimam os energúmenos? a Foice e o Martelo são o símbolo da libertação da exploração da Humanidade


6 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
xatoo disse...

os comentários insultuosos s/ conteúdo não são admitidos. Imagine-se o que acontece ao lixo em qualquer local frequentado por gente asseada...

Anónimo disse...


Pois, quando alguém diz 2+2=4 cai o Carmo e a trindade.
Vocês, marxistas-internacionalistas, sois mais tiranos que 500 Hitlers e 500 Mussolinis juntos.

O que vale é que já pouca gente cai na vossa falsidade.

Meu caro, vais ter de lidar com isto. As pessoas estão a acordar.
Muita gente já percebeu que o capitalismo e o comunismo são dois braços comandados pela mesma cabeça.

E muita gente esta a libertar-se desses dois braços opressores.

No ocidente o comunismo actual é mutante.

Se inicialmente era era focado na economia, com a centralização e colectivização forçada, agora está ligado a direitos que nunca ninguém imaginaria que necessitaria, como os casamentos gays, o aborto até quase á nescença, o femininismo que não é mais que um meio de opressão á mulher e a sua masculinização, ao que se junta também as politicas de imigração em massa destruindo por completo a identidade e história dos povos europeus que criaram a civilização e a tecnologia moderna . É o denominado marxismo cultural da escola de Frankfurt e delineado por judeus sionistas.

Por outro lado temos o capitalismo. Uma ideologia de gente porca, imunda, responsável pela pobreza de milhões e enriquecimento de uns poucos. Os chamados mercados financeiros são apenas grandes bancos. Os bancos nada produzem mas enriquecem de forma descomunal. Logo não adicionam nada á economia mas apenas retiram.

Acorda rapaz, que ainda vai a tempo.



xatoo disse...

esta cunversa de "gente porca", "2 braços opressores", "sois uns tiranos pió ke 500 Hitler" num tem o mínimo de nexo, cara. Vá aprendê e volte depôi:



Segundo Marx, nós somos "um conjunto de relações sociais", quer dizer, as nossas vidas estão no centro do cruzamento de uma série de relações sociais desiguais com base numa macro-estruturas hierarquicamente determinadas a partir do topo, que definem os modos de produção capitalistas. Igualar os de baixo com os de cima, interligando-os entre si como se os de baixo tivessem meios para determinar o que quer que seja... não tem nada a ver com o Socialismo ou o Comunismo. Tem a ver com aquilo a que podemos chamar de "Nova Esquerda". Foi esta, principalmente o finado "eurocomunismo" e outras aberrações que, ao criar a manipulação do "marxismo cultural" destinada às massas ignorantes, aliado à censura às nossas ideias, conseguiu manipular muita gente para o anticomunismo mais primata, à custa do qual se vai encobrindo a transferência da propriedade pública para a propriedade privada, favorecendo aqueles que são mais criticados pelos analfabetos politicos. Você parece ser um dos mais atingidos por esta burrice

Anónimo disse...


Bem, ao menos reconheces a existência do tal "marxismo cultural". Isso é positivo.
É que muita gente de "esquerda" ou não o reconhece ou então concordam com as suas teses.

De qualquer modo mesmo o marxismo económico puro e duro não é nem viável nem natural. Tirar o direito á população de ter um pequeno negócio particular, ou terrenos agricultas, ou actividades de profissionais liberais é tirar um direito fundamental.

O problema principal não é haver propriedade privada, ou iniciativa privada. O problema é o capital.
Sendo o capital a controlar a economia real(Capitalismo) é que tornou a sociedade cada vez mais escravizada. É escravizada por alguns grupos e multinacionais e é escravizada pela banca, directamente ou indirectamente através dos estados. Estes aumentam os impostos e taxas sobre a população para entregar ao banqueiros do qual contraíram dividas em conluio. Dai vermos com frequência a malta da politica circular entre o governo, a banca e a assembleia.

xatoo disse...

É mentira que se pretenda "tirar o direito á população de ter um pequeno negócio particular" - leia as teses saídas dos Congressos do Partido Comunista da China durante a última década. Ao contrário dessa ideia de confisco que os nossos adversários querem fazer passar, a Pequena Burguesia é equiparada à Classe Operária cujas actividades se considera ser o motor da sociedade.
Quanto ao "marxismo cultural" eu entendo-o exactamente ao contrário do que vc entende; portanto, não se misture com gente séria...