Pesquisar neste blogue

terça-feira, janeiro 14, 2014

por morrer um Assassino não se acaba o Genocidio

"É preciso dizer que o que acontece na Palestina é um crime que nós podemos parar. Podemos compará-lo ao que aconteceu em Auschwitz" (José Saramago).
Sieg heil! dizem os alemães, ao menos nos nossos campos de concentração sempre houve trabalh*, santificado pelo futuro Papa Wojtyla, pelo menos até os nazis e os seus exércitos colapsarem - na Palestina nem trabalh* há... a população vive de subsidios, oferecidos em grande parte pela União Europeia, a mesma que apoia incondicionalmente Israel...

É preciso entender quais as razões porque se comemora a morte de mais um "herói" do Sionismo. A dor espelhada no rosto de milhares de mães de palestinianos abatidos a tiro, detidos sem acusação, presos por anos a fio, humilhados nos controlos onde são contados cabeça a cabeça como se fossem gado, as condições miseráveis em que se encontram os sobreviventes em campos de concentração nos países vizinhos, a falta de perspectivas de vida com dignidade... Um brinde à saúde apodrecida deste ou daquele finado, pode amenizar por um instante o ressentimento - não pode contudo, porque uma besta caíu fulminada pelo seu próprio fel interior, fulminar toda a pleiade de facínoras que, invocando conceitos racistas, de fanatismo religioso, de "empreendorismo", sempre ocuparam os postos-chave na autodenominada Tribo expansionista de Israel". Todos eles em nome da animalidade primitiva que invocam como direito à terra, têm proferido declarações acintosas e tirânicas sobre a sorte dos subjugados, como se, como seres superiores se pensassem e tivessem sido eleitos pelo santo deus deles que na sua imaginação os pariu.

Posto isto, o Vice-Presidente Joe Biden chefia a delegação dos EUA ao funeral do carniceiro de Jenin, Qibya, Sabra e Chatila. (aqui). Obama diz que Sharon foi um lider que teve uma vida de dedicação à Pátria (aqui) em vez de relembrar aos humanistas que o psicopata conseguiu morrer sem se apresentar perante a justiça. Os líderes europeus apressam-se a prestar-lhes  vassalagem. Lamentando (que vontade de rir) a morte de Sharon a chanceler Merkel chamou ao assassino "um patriota” que tomou a “decisão valente” de evacuar os colonatos judaicos no Campo de Concentração de Gaza em 2005". Mas fica muda quando dias após a recente visita de Kerry ao país, Israel anuncia a construção de mais 1.877 casas em colonatos nos territórios da Cisjordânia ocupados à Palestina.



7 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Arthur Sionista disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Arthur Sionista disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
xatoo disse...

que original; a opinião de um site sionista
podia ter posto apenas o link de onde fez copy-paste, o da tradução
http://diplomatizzando.blogspot.pt/2014/01/ariel-sharon-militares-podem-ser.html
ou o original
http://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4472962,00.html

veja lá se descobre um site onde se diga quantos milhões por dia dão os contribuintes norte americanos para sustentar a máquina do apartheid israelita


Arthur Brasileiro Judeu e Sionista disse...

Pergunte por que os IRMÃOS ARABES, BILHONÁRIOS DOS PETRODÓLARES, NÃO CONTRIBUEM COM NADA COM A CAUSA PALESTINA?????????

minto o IRÃ contribui com uns foguetinhos para fazer cocegas ao ESTADO DE ISRAEL

ABRAÇOS

xatoo disse...

o sr. devia-se enxergar, ter a noção do ridiculo

Arthur Brasileiro Judeu e Sionista disse...

Sensacional artigo de escritor portugues em jornal esquerdista brasileiro, VALE A PENA LER:


http://www1.folha.uol.com.br/colunas/joaopereiracoutinho/2014/01/1397135-a-licao-de-ariel-sharon.shtml